Diário da Amazônia Nas mídias socias agora é só curtir seguir e assitir!
#EuCurto Diário da Amazônia
Cultura

13 de Setembro – dia do Território do Guaporé

O Diário da Amazônia ouviu o jornalista/escritor Lúcio Albuquerque, atualmente editor do centenário jornal Alto Madeira, sobre a..

Por Sílvio Santos Diário da Amazônia
A- A+

Publicado: 13/09/2017 às 06h30min

Jornalista e escritor Lúcio Albuquerque fala ao Diário

O Diário da Amazônia ouviu o jornalista/escritor Lúcio Albuquerque, atualmente editor do centenário jornal Alto Madeira, sobre a importância da criação pelo presidente Getúlio Vargas do Território Federal do Guaporé no dia 13 de setembro de 1943.
Diário – Qual a importância do Território Federal para a colonização de Rondônia?

Lúcio – Há duas fases distintas sobre o Território: o período 1944 (quando foi instalado) até 1968 (quando surge o primeiro Projeto de Colonização, em Ouro Preto, e o Incra é criado. Na primeira fase em termos de desenvolvimento econômico, pouco mudou, com a continuidade da economia à base do extrativismo vegetal – a partir de 1958 com a cassiterita ganha outro vetor, mas continuamos extrativistas.

Com a chegada do Incra e da equipe sob comando do capitão Sílvio Gonçalves de Faria, além da maciça campanha do Governo Federal para a ocupação do Oeste brasileiro, levou à migração com a chegada de centenas de milhares de pessoas, a maioria boias-frias abandonando o Sul/Sudeste, se instalando inicialmente ao longo da BR-364 e criando cidades – ou dando outra vida às pequenas vilas então existentes e mudando o eixo econômico com a implantação em larga escala de atividades agrícolas, alterando o norte econômico responsável pelo que hoje Rondônia é. E isso foi o grande papel do Território para a colonização, para que em 1975 o governador Humberto Guedes, que muitos reputam como o grande governador que Rondônia teve, me dissesse em uma entrevista, que Rondônia já havia extrapolado tudo que se poderia imaginar poder ocorre num Território. Em 1976 ele criou um grupo de trabalho para planejar uma proposta de Estado.

Diário – Rondônia foi governada por militares na época o território. Qual sua avaliação da forma de governar da época? Foi boa? Positiva ou negativa? Por que?

Lúcio – É preciso que eu deixe bem claro que por razões familiares tenho tudo para só criticar os militares. Mas seria injusto não reconhecer que não só para a Amazônia, mas especificamente para Rondônia, o saldo dos governadores militares que tivemos no então Território foi bem positivo. O que éramos até 1964 – prefiro tratar desse período em diante em razão de quando há referência à fase anterior ninguém lembra do que fizeram, alguns poucos mas outros, como Aluízio Ferreira, e Paulo Nunes Leal que desafiou o presidente JK para que abrisse uma estrada – o “Outro Lado da Cruz”, fizeram muito.

A partir de 1964 o Governo Federal precisou abrir uma nova fronteira. E descobriu Rondônia. Tínhamos uma rodovia (BR-29) que era apenas o que o presidente Jânio Quadros chamou de “caminho das onças”. Em 1965 o primeiro grande fato, a criação do 5º BEC e sua instalação em vários locais da BR, gerando apoio para o trânsito. Paralelo a isso o Incra promovia o que se costumava chamar de “A única reforma agrária que deu certo no Brasil”. Em 1974 foi a vez de Marques Henriques criar uma emissora de televisão – na realidade transmissora – a TV-Cultura ainda que funcionando por pouco tempo, mas oferecendo ao rondoniense uma nova opção de lazer e foi seu apoio que atraiu para fora de Manaus a, hoje, Rede Amazônica de Televisão.

Em 1975 outro coronel, Humberto da Silva Guedes, teve o mérito de entender que era a hora de mudar. E estruturou o Território como se fosse um Estado graças, claro, ao apoio decisivo do ministro do Interior Maurício Rangel Reis e do presidente Ernesto Geisel. Guedes consegue a criação de cinco municípios instalados 49 anos depois do último – havia só Porto Velho e Guajará-Mirim. Foi o governo militar que colocou Rondônia na rota das telecomunicações – as torres da Embratel. Foi sob governo militar que foi aberta a BR-319 e a BR- 425, além do asfalto na 364, a criação do Estado, da Universidade, da estrutura do Hospital de Base e mais municípios antes da criação do Estado.

Foi um trabalho articulado pelo governador Jorge Teixeira, aproveitando o projeto deixado pelo seu antecessor Humberto Guedes e com apoio do ministro do Interior Mário Andreazza e do presidente João Figueiredo, todos coronéis e o último general do Exército, que permitiu a criação do Estado. Não tenho dúvida de que foi fundamental a presença daqueles homens nos momentos em que Rondônia viveu o período de Território.



Escreva um comentário