20/04/2017 - 05:00:12 - Porto Velho - RO
min --º max --º
Carregando...

No facebook

Agora é só curtir!

No twitter

Siga-nos!

No YouTube

Assista nossos videos!

Capital

Transporte público pode parar na 2ª

Trabalhadores estão sem reajuste há 3 anos. SIM tem até segunda para se manifestar.

Por Daniela Castelo Branco Diário da Amazônia
A- A+

Publicado: 20/04/2017 às 05h00min

Francinei disse que o Consórcio SIM foi beneficiado ano passado com reajuste de 15%

Motoristas e cobradores de ônibus de Porto Velho reclamam da falta de reajuste salarial, apresentado pelo Consórcio Sim e que segundo a categoria, considera um desrespeito aos trabalhadores, que há três anos sofre de congelamento salarial. Os trabalhadores reivindicam seus direitos e ameaçam aderir a uma possível greve a partir da semana que vem.

O Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Coletivo (Sitetuperon) questiona o fato do Consórcio SIM ter sido agraciado com um generoso aumento nas passagens, de mais 15%, apenas cinco meses após ter assumido o sistema de transporte coletivo da capital; sendo que a inflação acumulada naquele período foi de apenas 4,6%, pelo INPC do IBGE. Na época o Consórcio SIM se recusou a dar qualquer reajuste à categoria, alegando a situação do contrato de concessão ser emergencial. A classe ressalta que todos os pagamentos realizados pelo Consórcio estão em dia e que apenas estão reclamando pelo reajuste salarial mais justo.
O presidente do Sitetuperon, Francinei Oliveira da Silva explica que a proposta realizada em uma assembleia no último sábado (15) de 2,86%, não agradou a classe dos motoristas e cobradores e que agora, a categoria aguarda uma nova proposta, num prazo legal de 72 horas a partir das 00h dessa segunda-feira (24). Assim, o impasse continua e o Sitetuperon não descarta o indicativo de greve.

De acordo ainda com o presidente do Sindicato, que assumiu a diretoria do sindicato no dia 20 de março, já no pleito de data-base da categoria e com isso, automaticamente, a classe já participou de uma mesa de negociação para um acordo coletivo junto ao Consórcio: “Tivemos cinco rodadas de negociações e o Consórcio Sim não quer acatar o nosso INPC de 4,5 % e disse que só poderia oferecer no momento 2,86%. Mediante essas cinco rodadas, a categoria fez uma assembleia e por unanimidade decidiu, anunciar o indicativo de greve, por não aceitar a contraproposta da empresa”, explica Francinei Oliveira.

Matéria completa acesse: Edição Digital


Escreva um comentário