Porto Velho/RO, 06 Janeiro 2021 09:17:53

CarlosSperança

coluna

Publicado: 06/01/2021 às 06h00min | Atualizado 06/01/2021 às 09h17min

A-A+

A Amazônia protagonizou o cenário de más noticias em 2020, colocando o governo no centro das atenções

Que venham boas notícias É certo que a Amazônia e o Brasil em geral tiveram um ano repleto de más notícias. Para quem sofreu décadas..

Que venham boas notícias

É certo que a Amazônia e o Brasil em geral tiveram um ano repleto de más notícias. Para quem sofreu décadas perdidas em sequência, lamentar um ano de más notícias é chover no molhado. Mas, a rigor, são raras as nações que podem se orgulhar de não ter sido um poço de más notícias em 2020.

A pandemia e a crise econômica produziram o grosso das notícias mais deprimentes. Na área da saúde, as carências ficaram ainda mais visíveis, e não só por causa da expulsão dos médicos cubanos. Antes deles, o caos nem precisava de uma epidemia para se revelar: já estava à vista de todos.

As muitas más notícias de 2020 encobriram, turvaram ou esconderam notícias ótimas, como o recente embarque do satélite Amazonia 1 para a Índia, no Aeroporto de São José dos Campos (SP). Para os nacionalistas, soterrados por produtos e novidades chinesas, europeias ou estadunidenses, foi de lavar a alma acompanhar o sucesso da fabricação do satélite, totalmente desenvolvido e testado no Brasil e por brasileiros.

Foram centenas de pessoas trabalhando por vários anos em toda a cadeia que chegará ao ponto culminante em fevereiro próximo, quando será lançado. Claro que nem só feitos nacionalistas merecem menção. Há muitos brasileiros espalhados pelo mundo pesquisando, produzindo e testando fármacos para enfrentar a pandemia e outras doenças globais.

……………………………………………………..

Boa notícia

O ano começa com o governador Marcos Rocha tranquilizando o funcionalismo estadual quanto a regularidade do pagamento dos servidores algo colocado em dúvida pelo recuo econômico gerado pela pandemia. O mandatário divulgou um calendário de pagamentos para o ano todo evidenciando que o erário terá condições de absorver as quedas na arrecadação de impostos e de repasses da União. A explicação é que o estado segue crescendo alavancando seu PIB com o agronegócio pujante.

A manutenção 

No corpo do novo secretariado do prefeito Hildon Chaves (PSDB) gostei especialmente da manutenção do secretário da Agricultura Luiz Claudio e da titularidade de Luís Guilherme Erse no Planejamento. Luís Claudio por se tratar do melhor secretário da Agricultura que Porto Velho já teve, Luiz Guilherme porque foi expoente no planejamento do saudoso prefeito Chiquito e um dos autores de um baita Plano Diretor na década de 90 com técnicos da USP. Ao mesmo tempo lamento a ausência de Ocampo na Funcultural. Cara bom de serviço.

Atenções voltadas 

No âmbito político as atenções ficam voltadas agora a Brasília com o confronto entre os deputados Arthur Lira (Progressistas) e Baleia Rossi (MDB) para o comando da mesa diretora da Câmara dos Deputados. O presidente Bolsonaro externando sua preferência por Arthur Lira, o que significa maus presságios para o candidato. Do outro lado, Baleia Rossi, pau mandado do ex-presidente Michel Temer que é aliado de Bolsonaro e posa de “oposição” e tem apoio até de patos petistas agora já não tão furiosos com a cassação de Dilma capitaneada por Temer.

Mesmo saco

A grande verdade é que Lira e Baleia Rossi são farinha do mesmo saco. Qual seja que fature a presidência da Câmara dos Deputados será aliado do presidente Bolsonaro no Palácio do Planalto. A não ser que a popularidade do presidente desabe como ocorreu com Dilma. Neste caso o MDB de Baleia e Temer será o primeiro a apunhalar o presidente Bolsonaro, berrando em voz alta o voto num eventual pedido de impeachment. Rossi encascado com a justiça, Baleia um aliado inconfiável. Que cenário!

Chuva de candidatos

Com a nova composição do secretariado do prefeito Hildon Chaves (PSDB) tendo uma chuva de possíveis candidatos a Assembleia Legislativa e a Câmara dos Deputados no ano que vem, seus concorrentes, os vereadores eleitos e empossados na capital poderão causar embaraços a administração Hildon Chaves/Mauricio Carvalho. Já tem grupo de vereadores se articulando preocupados com a concorrência de alguns secretários se armando para a peleja 2022.

Via Direta

*** Ainda se restabelecendo da covid que infectou sua família, o governador Marcos Rocha (Avante) vem com tudo para a reeleição*** Chama atenção seu programa de regularização fundiária, alicerçando sua caminhada para novo mandato no CPA***É o “Gov” reforçando a paliçadas ante as presas afiadas de Marcos Rogério (DEM), Hildon Chaves(PSDB) e Lucio Mosquini (MDB), possíveis concorrentes em 2022*** Vão fazendo as contas aí: Na disputa da cadeira ao Senado já tem nas paradas Jaqueline Cassol Zona da Mata), Leo Moraes (Porto Velho), Bagatoli (Cone Sul), Expedito Junior (Zona da Mata), Thiago Flores (Vale do Jamari)*** Uma verdadeira regionalização das candidaturas.


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas