porto velho - ro, 01 Novembro 2019 16:35:19

    ChagasPereira

    coluna

    Publicado: 30/10/2019 às 11h43min

    A-A+

    A força da mulher no agronegócio

    O agronegócio brasileiro é forte e fundamental para a economia, gerando emprego e renda no campo e representando 25% do Produto Interno..

    O agronegócio brasileiro é forte e fundamental para a economia, gerando emprego e renda no campo e representando 25% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Até bem pouco tempo o papel masculino predominava neste segmento econômico. Mas o quadro está mudando. Isto porque o número de mulheres empreendedoras impacta o agronegócio, evidenciando que o papel da mulher também é marcante na gestão das atividades no campo.
    O desempenho da mulher no ambiente do agronegócio tem sido tão marcante que eventos específicos nesse segmento do mercado de negócios evidenciam a liderança feminina numa área que exige um preparo diferenciado, mas que atesta que elas chegaram para fazer a diferença. Recentemente, o 4º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio, realizado em São Paulo, reuniu mais de duas mil mulheres empreendedoras em debates sobre as cadeias produtivas do agronegócio brasileiro.
    Uma realidade que, até bem pouco tempo, não fazia parte das rodas de negócios. Aliás, a presença da mulher como liderança no agronegócio é uma constatação de que tanto o homem quanto a mulher podem perfeitamente exercer funções de liderança em praticamente todos os segmentos do mercado. Isso não é mais novidade, mas uma constatação, tendo em vista os muitos casos de sucesso de liderança feminina no mercado de trabalho.
    Falando um pouco mais sobre o Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio, realizado já pela quarta vez, é um grande evento que abre debates sobre os principais desafios e oportunidades das cadeias produtivas do agronegócio no país, envolvendo mulheres agricultoras, pecuaristas, cooperadas e de outras categorias do mundo rural, que têm a oportunidade de trocar experiências e a possibilidade de integrar redes em cadeias produtivas do agronegócio.
    O congresso tem como proposta dar visibilidade para as mulheres do agronegócio, no contexto das cadeias produtivas, considerando temas que fazem parte deste contexto, como consumidor, agroindústria, produtores rurais e tecnologias. Reproduzo aqui palavras da presidente do Comitê Mundial da Igualdade de Gênero da Aliança Cooperativa Internacional, Maria Eugenia Pérez, que, em pronunciamento na abertura do evento, disse que as mulheres têm que buscar ainda mais conhecimento para aumentar a sua participação no campo. Segundo ela, as mulheres precisam buscar formação, informação, aplicação de tecnologias para poder participar do mundo do agronegócio e da governança dos agronegócios.
    Em Rondônia, como em todos os demais estados brasileiros, lideranças femininas também começam a projetar-se no agronegócio. É uma tendência natural, levando em conta o potencial feminino também na área da gestão. É a força da mulher que também começa a fazer parte do agronegócio.


    Escreva um comentário

    Arquivos de colunas