porto velho - ro, 23 Agosto 2019 22:49:48

Silvio Santos

coluna

Publicado: 14/07/2019 às 11h24min

A- A+

A história do Márcio Poeta o maior vendedor de livros de poesia

OLHO ‘Comecei a recitar poesia quando tinha oito anos, na Escola Araújo Lima aqui em Porto Velho. Aos 14 anos comecei a preparar os meus..

OLHO

‘Comecei a recitar poesia quando tinha oito anos, na Escola Araújo Lima aqui em Porto Velho. Aos 14 anos comecei a preparar os meus livros e comecei a dar palestras influenciando os alunos por meio da poesia, aos 19 anos lancei meu primeiro livro “Coração Partido” volume 1’

‘A poesia de Rondônia é dividida em quatro partes, no livro “Quem Ama é Forte”, só tem a primeira parte. As quatro partes somam 70 páginas. Fiz esse poema em 9 anos. O poema de Rondônia é um trabalho de estudo etimológico e etnográfico sobre as palavras e as vivencias indígenas, junto com as belezas de Rondônia’.

Marcio Vieira do Carmo

A história do Marcio Poeta o maior vendedor de livros de poesia de Rondônia

Na abertura do I Fórum Internacional do Turismo de Rondônia, antes de começar sua palestra, o superintendente da Setur Gilvan Pereira pediu licença ao público e convidou o Marcio Poeta para declamar o poema Rondônia. Fiquei impressionado com a facilidade que o Marcio teve para declamar as 16 estrofes que citam belezas, nomes de praticamente todos os peixes que habitam nossos riso e de pássaros. Logo que terminou de declamar o abordei e o convidei para falar sobre o seu trambalho poético, cuja produção chega aos dez livros, com o lançamento do “Quem Ama é Forte”. Sentamos sexta feira passada, 12, e gravamos as histórias que seguem, sem esquecer de reproduzir parte do poema

“RONDÔNIA – Rondônia tem água, Rondônia tem fruto, Rondônia tem peixe, Rondônia tem tudo”… Mas tudo de bom, como o sol no Madeira; Tem pipira, japiim, tem até cachoeira! Rondônia tem goiaba, jaca e araçá; acerola, sanha-açu, checo-checo e ingá. Rondônia tem jambo, cupuaçu, bem-te-vi, farinha de tapioca, azeitona e açaí. Rondônia tem águia, tesoureiro e gavião; tem sangue de boi, tem coco e mamão. Rondônia tem trilha, tem mata e lagoa; Rondônia tem tudo e ninguém fica a toa… O poema na íntegra você encontra as páginas 56/57 e 58 do livro “Quem Ama é Forte”

ENTREVISTA

Zk – Que mensagem você quer passar com o Poema “Quem Ama é Forte”?

Márcio Poeta – Esse é o meu décimo livro. Quem Ama é Forte tem uma proposta de trabalhar junto às pessoas as boas emoções. Nós observamos no livro ele tem o A de Ama maiúsculo e o F também maiúsculo, porque o A significa que o amor e os bons sentimentos têm que ser pessoal, hoje nós trabalhamos de forma coletiva, quer dizer que nossas boas atitudes os bons comportamentos tem que partir de mim. O F é perdão. A gente só tem esses bons sentimentos quando a gente perdoa e o mundo hoje, nos educa para não perdoar, a gente agir a partir da mágoa, a partir da raiva.

Zk – Essa tua veia poética surgiu quando você tinha quantos anos e qual foi seu primeiro livro?

Márcio Poeta – Comecei a recitar poesia quando tinha oito anos, na Escola Araújo Lima aqui em Porto Velho. Aos 14 anos comecei a preparar os meus livros e comecei a dar palestras influenciando os alunos por meio da poesia, aos 19 anos lancei meu primeiro livro “Coração Partido” volume 1 que você me entrevistou. Os livros do Marcio Poeta são resultado de um Projeto Educacional e Cultural chamado Poesia nas Escolas. O trabalho de poesia nas escolas tem três pontos. O 1º influenciar a leitura; o 2º influenciar a escrita e o 3º trabalhar a cidadania e a inter-relação entre os alunos e trabalhar também a motivação nos aspecto educacional. Poesia nas Escolas fez recentemente 25 anos. É por meio desse Projeto que seleciono as poesias e coloco nos livros.

Zk – Você conta com apoio da secretaria de educação do estado ou município?

Márcio Poeta – No governo do Coronel Marcos Rocha o meu trabalho está muito bem aceito por meio da Seduc e por meio da Setur.

Zk – Quem é o Marcio Poeta?

Márcio Poeta – Meu nome é Marcio Vieira do Carmo e meu nome artístico é Marcio Viermo que é uma junção de Vieira e do Carmo, no entanto, por causa do Projeto Poesia na Escola fiquei conhecido como Marcio Poeta.

Zk – Quando nos conhecemos você vendia seus livros pelos bares e boates da cidade. Continua com essa prática?

Márcio Poeta – Cheguei também a propagar os livros em apresentações em ônibus, fiz em bares e restaurantes isso além de servir de divulgação do meu trabalho servia também para eu treinar, porque tenho as poesias memorizadas e é um aspecto dessa figura chamado Marcio Poeta recitar seus poemas de forma criativa e dinâmica.

Zk – Nessa trajetória, quantos exemplares você já conseguiu vender entre todos seus dez livros?

Márcio Poeta – No segmento poesia, hoje sou o poeta que mais vende livro em Rondônia e o segundo na Amazônia. Em prêmio, sou o mais premiado em Rondônia e o segundo na Amazônia. Meus dez livros já venderam mais de 60 MIL exemplares.

Zk – Você tem contrato com alguma Editora:

Márcio Poeta – Faço parte do que é chamado hoje de Economia Criativa que é quando, basicamente, o escritor se torna um empreendedor do próprio trabalho. Em virtude disso me profissionalizei fazendo com que meu trabalho, venda bastante

Zk – Dos teus poemas qual o que mais se destaca?

Márcio Poeta – Sou um poeta de apresentação.  Basta lembrar que não tenho uma estrutura de plataforma digitais pra divulgar o meu trabalho de forma globalizada, no entanto, o meu poema mais conhecido é o “Rondônia”, que fala sobre as belezas do nosso estado. A primeira vez que o apresentei em público, foi em junho de 2007 no Estúdio 5 Hall Manaus no Primeiro Congresso Internacional sobre a Preservação da Amazônia e eu fiz a abertura do coquetel declamando esse poema que fala das belezas de Rondônia e consequentemente da Amazônia. Em todas minhas apresentações s escolas eu declamo esse poema, estou falando de 900 escolas que durantes estes 25 anos, já alcancei Hum Milhão de alunos.

Zk – Você declamou o poema na abertura do I Fórum Internacional do Turismo em Rondônia e notamos que ele é muito grande. Qual a técnica (se é que existe), que utiliza para decorar poemas tão extensos?

Márcio Poeta – Vou fazer uma colocação e aproveito pra fazer um elogio. Há quanto tempo você está no seu trabalho? Eu iria fazer a mesma pergunta que você me fez agora e você me responderia, porque eu amo o que faço e faço o que amo. A sua dedicação ao seu trabalho é que faz de você o que você é! Eu consigo memorizar e dar um diferencial, um dinamismo sobre meus poemas a partir do amor que sinto pelo meu trabalho.

Zk – Os poetas são classificados como românticos, épicos, líricos, cordelista etc. Em qual categoria você se encaixa?

Márcio Poeta – Sou o que a literatura chama de poeta poligrafo, ou seja, eu componho poesia de amor, problema social, religião, sátiras. Eu escrevo também Contos e Crônicas de forma poética então, não tenho só uma base linguística poética.

Zk – Mais sobre o poema de Rondônia?

Márcio Poeta – A poesia de Rondônia é dividida em quatro partes, no livro “Quem Ama é Forte”, só tem a primeira parte. As quatro partes somam 70 páginas. Fiz esse poema em 9 anos. O poema de Rondônia é um trabalho de estudo etimológico e etnográfico sobre as palavras e as vivencias indígenas, junto com as belezas de Rondônia.

Zk – Vejo que no livro existem algumas crônicas?

Márcio Poeta – O texto principal do livro é dividido em frases que em literatura chamamos de aforismo, que algumas pessoas chamam de frase de impacto. A gente pode classifica-lo como Poema ou Texto Poético.

Zk – Nesse estilo você tem a obrigação de obedecer algum estilo, exemplo tem que ter rima?

Márcio Poeta – Não! Ele é livre. Hoje a escrita poética te dar esse leque de possibilidades. Isto é importante, para que o verdadeiro artista consiga colocar em prática, uma das suas principais qualidades que é a originalidade, a criatividade. Quando ele quebra barreiras, estigmas, estereótipos ele consegue mostrar sua arte de forma diferenciada.

Zk – Sobre o poema Vale de Ternura?

Márcio Poeta – Esse poema fiz quando estava com 15 anos. Ele diz: Não tenho ninguém, não tenho um abraço, um sorriso, ou um gesto que seja. Não tenho ninguém. Não tenho alguém que preencha meu coração de carinho e esperanças… Esse poema quando fiz ainda adolescente, tinha como intensão falar das emoções e dos vazios que tem o adolescente.

Zk – Todo poeta tem uma musa inspiradora. Qual a sua?

Márcio Poeta – Deixa fazer uma explicação que é importante: Qualquer pessoa pode escrever poesia, isso é fato, porém, não significa que uma pessoa que faz poesia, seja poeta. O poeta, o verdadeiro artista que tem o dom, que nasceu com aquilo, não precisa fazer poesia para mostrar que é poeta. Quer conhecer alguém, veja como ela se comporta diante das dificuldades. Eu sou poeta, eu nasci poeta, não preciso fazer poesia para mostrar que sou poeta. To fazendo essa colocação pra gente chegar na inspiração; A vida é minha inspiração, Deus me inspira, Jesus me inspira, tudo me inspira porque eu sou poeta.

Zk – Para contratar o poeta ou o palestrante Marcio tem que fazer o que?

Márcio Poeta – Meu celular para contato ou contrato, é (69) 9 9380-7265.


Escreva um comentário

Arquivos de colunas