Porto Velho/RO, 16 Dezembro 2020 07:23:20

Larina Rosa

coluna

Publicado: 25/11/2020 às 06h00min

A- A+

A pandemia e o aumento dos casos de violência contra mulher

O pior é saber que na maioria das vezes essas mulheres foram mortas por seus companheiros, que escolheram para dividir a vida.

A restrição para conter o vírus da pandemia contribuiu muito para o aumento de casos de violência contra mulher em todo o mundo. Os números de estupros dispararam na África do Sul, os desaparecimentos de mulheres aumentaram no Peru, enquanto isso aqui Brasil os casos de violência não param de crescer.

Só no primeiro semestre da pandemia o nosso país registrou 648 crimes de feminicídios. Isso quer dizer que só neste ano 648 mulheres morreram vítimas de assassinatos de violência doméstica ou pela repulsa do outro pelo seu gênero.

O pior é saber que na maioria das vezes essas mulheres foram mortas por seus companheiros, parceiros que escolheram para dividir a vida, dentro da própria casa, no lugar escolhido para partilhar afeto e conforto.

Esse fim trágico é resultado de um ciclo de agressões constantemente acometidas a mulheres de todas as classes sociais e diferentes níveis de formação cultural, educacional, religiosa ou profissional.

Quando falamos de violência contra mulher, o que já vem a cabeça são os espancamentos, os ferimentos e as torturas que são acometidos a mulheres. Além dessa cruel realidade devemos nos esforçar para pensar que qualquer conduta que cause dano emocional, diminuição de autoestima ou prejudique o nosso desenvolvimento também causa feridas, e do mesmo modo é violência.

Os constrangimentos, as manipulações as chantagens dentro ou fora de um relacionamento também devem ser compreendidos como violência. Temos que entender que se existe alguma proibição para trabalhar, estudar ou falar com amigos e parentes é violência. Ou se existe alguma distorção quanto a sua memória ou sanidade mental também é.

Outra forma de violência pouco lembrada é a patrimonial, quando ele controla seu dinheiro. Essa violência te impede a direitos e a recursos econômicos que satisfazem as suas necessidades. A violência patrimonial também acontece em caso de destruição documentos pessoais ou qualquer objeto que você goste.

Terrível igual as demais também existe a violência moral, que acontece quando você é acusada de traição, que expõe sua vida íntima, que te rebaixa sobre a sua índole ou te desvaloriza pelo seu modo de se vestir.

Infelizmente todas essas formas de violência contra mulheres estão em alta em todo o mundo. O Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher celebrado hoje (25), busca conscientizar a população sobre a importância da denúncia da prática que vem interrompendo milhares de mulheres.

Na pandemia o aumento de casos casos de violência contra a mulher é um problema global, que vem ceifado vidas e deixando problemas psicológicos para o resto da vida em muitas delas.  Ainda não sabemos até quando a pandemia vai durar, mas ainda temos esperança em uma vacina. Já os casos de violência contra mulher seguimos nos perguntando, até quando?


Deixe o seu comentário

sobre Larina Rosa

Larina Rosa é natural de Colorado do Oeste, Rondônia. Jornalista, redatora, repórter do Diário da Amazônia que acredita na luta contra a violência de gênero e igualdade de direito das mulheres na sociedade.

Arquivos de colunas