porto velho - ro, 22 Setembro 2019 18:42:53

    SilvioSantos

    coluna

    Publicado: 07/03/2019 às 16h19min

    A-A+

    A programação cultural segue a todo vapor!

    A programação cultural segue a todo vapor! Terminou o carnaval e entrou no ar o Projeto Canta Mulher que começou ontem, com o..

    A programação cultural segue a todo vapor! Terminou o carnaval e entrou no ar o Projeto Canta Mulher que começou ontem, com o espetáculo “Sonho Meu” uma homenagem a Dona Ivone Lara a primeira mulher a integrar a Ala de Compositores de uma escola de samba, e prossegue na noite desta sexta feira dia Internacional da Mulher 8 de março.
    **********
    A programação musical termina amanhã, com a realização do Canta Comerciária quando vamos conhecer o talento musical das empregadas no comércio. Vamos lá que as artistas selecionadas são as melhores.

    *********
    Isso não quer dizer que o carnaval acabou, muito pelo contrário, continua e muito bem sim senhor. Hoje no circuito da Pinheiro Machado temos o desfile do bloco Leva Eu que será “puxado” pelos cantores baianos, Tatau (ex Araketu); Reinaldinho (ex-Terra Samba) e Ninha (ex-Timbalada).

    *********
    Para não ficar apenas do Axé Baiano o Leva Eu contratou a banda Conexão do Frevo para fazer o esquenta de seus foliões durante as duas horas de open bar.
    ********
    Pra completar a rodada de blocos carnavalescos, amanhã teremos o desfile do Axé Folia do Nier e domingo, será a vez do bloco “To de Folga” que tem como objetivo reunir os Policiais Militares que trabalharam na segurança dos blocos..
    ********
    Enquanto a enchente das Usinas do Madeira não chega a Sete de Setembro, ainda podemos brincar carnaval, pois em 2014, fomos todos ludibriados inclusive o prefeito de Porto Velho, ao acreditar que aquela enchente era um fenômeno da natureza.

    ********
    Só para ilustrar, nasci e me criei em Porto Velho e minha infância e adolescência foi toda vivida na avenida Farquar entre a Sete de Setembro e a hoje Travessa Renato Medeiros, numa vila de casa que existia ali e foi demolida pelo Interventor Roberval
    ********
    Pois saibam os senhores, que aquele trecho que até hoje é conhecido como Baixa da União sempre alagou nesse tempo. Inclusive, graças as enchentes foram criados em anos diferentes, os bairros: Meu Pedacinho de Chão (com moradores da Baixa da União) sua fundadora foi a Primeira Dama Geisa Guedes. O nome é alusivo a primeira novela que o porto-velhense assistiu via televisão “Meu Pedacinho de Chão”.

    *********
    Outro bairro que nasceu graças a enchentes do rio Madeira foi a Vila Tupi, essa com moradores do Bairro Triângulo do lado direito dos trilhos da Ferrovia Madeira Mamoré (sentido Porto Velho Santo Antônio).
    *********
    O bairro São Sebastião 1 também é fruto de enchente, só que na parte da Farquar após a avenida dos Imigrantes. Acontece que ali, onde hoje também funciona o Ipem era o LAGO DOS MILAGRES e esse Lago sempre existiu como extensão do Rio Madeira. O homem invadiu construindo casas no estilo Palafita e ficou por isso mesmo. Hoje o que era o Lago dos Milagres é um eterno alagado poluído.
    *********
    Até o início da década de 1960 o Lago dos Milagres serviu de curral para os Bois Búfalos que o governo do Território Federal de Rondônia trouxe da Ilha do Marajó no Pará. Então meus amigos, ali sempre foi alagado.
    **********
    Agora o que nunca alagou, foram os galpões da Madeira Mamoré que a gente chamava de Armazéns. Hoje quando as usinas abrem suas comportas e isso só acontece a noite, as peças do Museu da Madeira Mamoré “ficam se tremendo” de medo de serem alcançadas pelas águas do rio Madeira.
    **********
    Também poucas foram as vezes que a enchente do Madeirão isolou as populações de São Carlos, Nazaré e outras comunidades a beira do Rio Madeira, essa enchente não é fenômeno da natureza, é irresponsabilidade de quem concordou com a construção das Usinas do Madeira sem se preocupar com as suas consequências.
    *********
    Oi Leva Eu! Minha Sodade!


    Escreva um comentário

    sobre Silvio Santos

    Jornalista. Atualmente é editor do caderno de Cultura do jornal Diário da Amazônia. É um apaixonado pela Cultura de Porto Velho. Mantém uma coluna diário no jornal Diário da Amazônia. Conhecido carinhosamente por Zé Katraka.

    Arquivos de colunas