Porto Velho/RO, 14 Janeiro 2021 08:49:00

RobertoRavagnani

coluna

Publicado: 14/01/2021 às 08h48min

A-A+

Ações em alta

Calma, não está na coluna errada e nem errei o tema de hoje, não tem nada a ver com economia ou bolsa de valores, continuamos falando de..

Calma, não está na coluna errada e nem errei o tema de hoje, não tem nada a ver com economia ou bolsa de valores, continuamos falando de voluntariado, sempre.

Mas não posso deixar de fazer esta referência, visto que a busca pelas palavras voluntariado, ações voluntarias, programas de voluntariado, entre outros ligados ao tema, estão em alta na plataforma de busca do Google nas últimas semanas e com um aumento expressivo, na casa de 60% a mais do que o período de outubro e novembro de 2020.

Isto é muito bom, quanto mais gente interessada, mais o assunto vem as primeiras páginas de buscadores, mas o mais importante é ter mais gente interessada em saber o que é e como fazer para participar de alguma ação de voluntariado.

Mas quero aqui trazer alguns alertas, como pedreiros, pintores, entre outras profissões que todo mundo diz saber um pouco do assunto, o voluntariado não fica fora desta categoria, todo mundo diz saber o que é e como fazer, mas efetivamente poucos sabem verdadeiramente e aqui não me refiro aos voluntários propriamente dito, digo isto referente aos gestores das OSC que nomeiam um funcionário ou outro voluntário para cuidar da equipe de voluntários, sem a devida formação e preparo.

Mas qual o risco disto? Fazer trabalho voluntário não tem risco nenhum.

Pode não parecer, mas os riscos para a OSC e para o voluntário são grandes, em alguns casos riscos de saúde mesmo, quando os voluntários lidam na área de cuidados com a saúde, ou em áreas de desastres naturais ou não, se não forem preparados podem causar grandes estragos para a OSC (organização da sociedade civil) e para si próprios e o responsável por isso é a coordenação de voluntários da organização.

Existem também os riscos jurídicos, principalmente para a OSC (organização da sociedade civil) mas também para os voluntários em menor grau.

E ainda existem os riscos de acidentes para os voluntários e para os atendidos, mais uma vez se não bem orientados, os voluntários podem ser os facilitadores de acidentes, assim como vítimas, portanto a orientação é fundamental e muitas OSC’s ainda tem deixado isto a margem das necessidades fundamentais. Assim como ter voluntários na OSC, eu percebo como uma necessidade, não só visto pela questão dos recursos, cada vez mais escassos, mas também pelo olhar da visibilidade, confiabilidade e respeito da sociedade com a organização. Quanto maior o número de voluntários qualificados e devidamente capacitados, aumentamos o “valor” de nossa “marca” como organização social, bem como aumentamos a confiabilidade dos serviços prestados à sociedade, abrindo portas para o aumento da captação de recursos e parcerias para a realização do trabalho.

Voluntários bem capacitados, orientados e selecionados são preciosidades para as OSC’s, realmente de valor incalculável.


Deixe o seu comentário

sobre Roberto Ravagnani

Colaborador do Diário da Amazônia-  Roberto Ravagnani é autor, palestrante, jornalista (MTB 0084753/SP), radialista (DRT 22.201), conteudista e Consultor de voluntariado e responsabilidade social empresarial. Voluntário palhaço hospitalar desde 2000, fundador da ONG Canto Cidadão, Associado para o voluntariado da GIA Consultores no Chile, fundador da Aliança Palhaços Pelo Mundo, Conselheiro Diretor da Rede Filantropia, sócio da empresa de consultoria Comunidea e Membro Engage for business. www.robertoravagnani.com.br

Arquivos de colunas