porto velho - ro, 12 Outubro 2019 10:53:37
    Geral

    Agência espanhola oferece experiência de como seria vida em Marte

    Astroland oferece expedição de três dias dentro de estação instalada em uma caverna na Espanha, que imita como seria a vida em uma colônia

    A- A+

    Publicado: 09/10/2019 às 15h58min

    A agencia espanhola interplanetária Astroland, que testa novas tecnologias e desenvolve habilidades que permitam que o ser humano possa viver no ambiente hostil do Planeta Vermelho.

    Segundo a empresa, o primeiro passo para estabelecer uma colônia humana em Marte é replicar nossas condições de vida do planeta. Com essa ideia em mente, a Astroland criou uma “estação espacial” científica, batizada de Ares, nas cavernas de Cantabria, ao Norte da Espanha.

    Totalmente isolada do contato humano, a estação tem 60 metros de altura e 1,2 quilômetros de comprimento, e é equipada com tudo o que é necessário para testar tecnologias e as habilidades humanas que serão necessárias para viver em Marte.

    A ideia é que os turistas vivam o dia a dia de um astronauta. “Você será um pioneiro na chegada do homem a outros planetas”, diz o anúncio da expedição.

    A expedição dura 30 dias, mas a maior parte deles é passada fora da caverna. Primeiro, os participantes passam por um treinamento remoto de três semanas. Durante o período, terão acesso a especialistas aeroespaciais e psicólogos.

    Depois, os viajantes passarão três dias no centro espacial da Astroland, também na Cantabria, para aprender como fazer caminhadas espaciais, passar por simulações de falta de gravidade e aprender espeleologia, a ciência que estuda a formação e constituição de cavernas. Também vão receber treinamento em planos de emergência para saberem como agir em circunstâncias adversas.

    Após todo esse treinamento, finalmente os participantes entrarão na caverna e ficarão na estação por três dias, vivendo como se estivessem em uma colônia em Marte. Eles vão usar vestimentas espaciais, lidar com laboratórios para o cultivo de vegetação e comer comida liofilizada.

    Uma missão já foi realizada em setembro e a próxima acontece em 10 de novembro. Os participantes têm que desembolsar um valor de R$ 27 mil para embarcar nessa aventura.

    Fonte: Revista Planeta



    Escreva um comentário