porto velho - ro, 07 Novembro 2019 14:53:38
    Diário da Amazônia

    Animais que estão fora do grupo de vacinação devem ser cadastrado

    A 47ª campanha de vacinação é voltada a bovinos e bubalinos com idades entre zero e 24 meses

    A-A+

    Publicado: 07/11/2019 às 14h53min

    A 47ª campanha de vacinação é voltada a bovinos e bubalinos com idades entre zero e 24 meses

    Os animais, bovinos e bubalinos, que estão fora do grupo de vacinação contra a Febre Aftosa, ou seja, que estejam acima de dois anos, também devem ser cadastrados na Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia. O alerta é feito pelo presidente da autarquia, médico veterinário Júlio Cesar Rocha Peres.

    Ele lembra que a 47ª campanha de vacinação é voltada a bovinos e bubalinos com idades entre zero e 24 meses, “mas o cadastramento (declaração) é voltado ao rebanho inteiro”. Nessa etapa, também deverão ser atualizados os rebanhos de ovinos, caprinos e suínos. “Mas lembramos que a vacinação desses animais é proibida”, explica.

    “Estamos nos aproximando do fim da 47ª etapa de vacinação contra Febre Aftosa. O prazo termina nesse próximo dia 15. Já o prazo para declaração da vacinação vai até o dia 22 deste mês”.

    Segundo Júlio Cesar Rocha, é importante ressaltar que a vacina deve ser mantida em caixa de isopor, com gelo, até o momento da vacinação e que a pistola e agulhas devem ser higienizadas antes da aplicação. A dose da vacina é 2 ml e deve ser aplicada na ‘tábua’ do pescoço, por via subcutânea (embaixo da pele) ou intra-muscular (na carne).

    Sobre a importância da campanha, ele alerta que a Febre Aftosa tem grande poder de difusão e é uma das mais temidas e prejudiciais doenças que afetam a pecuária, com reflexos econômicos graves para a produção primária. “A prevenção da Febre Aftosa é uma das prioridades do Governo, principalmente porque Rondônia é um estado cuja vocação para a pecuária é algo inquestionável”, destaca, acrescentando que, há 20 anos, o estado está livre da doença.

    O sucesso da campanha, de acordo com Júlio Cesar, deve-se muito a cooperação entre o Estado e os produtores rurais, além do apoio da iniciativa privada e de toda a sociedade.

     

    Fonte: Secom – Governo de Rondônia



    Deixe o seu comentário