Porto Velho/RO, 14 Abril 2020 22:50:32

Carlos Sperança

coluna

Publicado: 13/04/2020 às 09h06min | Atualizado 13/04/2020 às 11h08min

A- A+

Aos poucos vai se consolidando o adiamento das eleições municipais de outubro

Exemplar atípico João Bosco lança neste mês um novo disco, intitulado Abricó-de-macaco. O compositor e cantor, que no passado lamentou..

Exemplar atípico

João Bosco lança neste mês um novo disco, intitulado Abricó-de-macaco. O compositor e cantor, que no passado lamentou as Marias e Clarices que choravam, teria hoje mais famílias enlutadas e em lágrimas a imortalizar em uma canção, mas optou por homenagear um exemplar atípico da biodiversidade amazônica, parente desprezado da castanheira.

O abricó-de-macaco tem suas flores entre as mais belas da natureza e frutos muito nutritivos, mas nem pessoas com fome se interessam em comê-los. A árvore se compara aos discursos enganosos, que seduzem à distância, mas quando as pessoas se aproximam para tentar conhecer de perto, ficam horrorizadas com o cheiro desagradável.

É o caso dos políticos que se elegeram jurando legislar e governar para todos mas depois da posse negam tudo, passando de bons-moços a carrascos. Nota-se isso na ofensiva contra os índios isolados da terra indígena Ituna Itatá, considerados inexistentes para interesses com lobby no Congresso, sem exibir nenhuma comprovação de técnicos com trabalho de campo.

Negar a existência de um povo brasileiro para devastar a região que habita causa horror ao mundo e piora a imagem do Brasil lá fora. Depois de florear humanismo na campanha eleitoral e nos discursos que prometem maravilhas para todos, essa atitude fede muito mais que o abricó-de-macaco.

…………………………………………

Construção civil

Para movimentar a construção civil, segmento que mais gera empregos neste País, a Caixa Econômica lançou mais um pacote de bondades que vai da carência para o pagamento da casa própria até pausa para os mutuários pagarem os atrasados. Em Porto Velho temos muitas obras em andamento, inclusive alguns blocos de edifícios de apartamentos em construção e a medida  anunciada está animando os investidores que ficaram retraídos com a pandemia do coronavirus.

O adiamento

Os poucos vai se consolidando o adiamento das eleições municipais de outubro, possivelmente para dezembro. Além da peleja pelo bloqueio do fundo partidário para combater a pandemia, como a doença avança nos estados e a justiça eleitoral já formou um grupo e estudos para analisar o cenário. No Congresso Nacional a proposta também ganha impulso para  adiamento, não para a prorrogação de mandatos como querem prefeitos e vereadores pensando apenas no próprio umbigo.

Nominata pronta

O Diretório Municipal do PDT tem nominata pronta, do pré-candidato a prefeito – Ruy Parra Motta – e dos 32 postulantes a Câmara de Vereadores de Porto Velho. O partido vem com a maior lista de mulheres candidatas nesta temporada, mais de 10, tendo na ponta a vereadora Ada Dantas que postula a reeleição. Enquanto algumas legendas encontram dificuldade para cumprir as exigências da legislação eleitoral quanto ao percentual de candidaturas femininas, os pedetistas cumpriram com sobras.

Que situação!

Pelo menos uma dúzia de municípios encravados no Vale do Jamari, Zona da Mata, região central e Cone sul rondoniense já estavam espichando o bico antes da onda da pandemia do novo coronavirus. Com o advento da doença, as municipalidades estão afundando de vez, pois não conseguem arrecadar sequer para dar conta das demandas sociais de saúde, educação, merenda escolar, transporte escolar. E cada vez mais dependem dos recursos estaduais e federais e já estão perdendo habitantes para outras regiões do estado, MT, AC e AM.

Uma quebradeira

Vai ficar bem visível já na segunda quinzena de abril a quebradeira dos bares,  hotéis, restaurantes, lojas etc. As demissões já começaram e o desemprego que já era enorme em Porto Velho nos últimos anos vai saltar longe. Pequenas empresas estão espichando o bico com a queda nas vendas. Já temos também na capital rondoniense mais de 15 postos de combustíveis fechados e com os funcionários nas ruas. Tempos difíceis. 

Via Direta

*** Como o desmatamento voltou a crescer na Amazônia em plena era do coronavírus vem aí uma temporada de queimadas de amargar *** Não bastasse o coronavirus,  quem sofre com problemas respiratórios, como as crianças e os velhinhos que se preparem para um verão difícil *** Muitos presos soltos em Rondônia por conta da pandemia. Na capital esta decisão provocou aumento na criminalidade *** Estão assaltando até pipoqueiro na rua. Salvem-se quem puder *** Com a crescente possibilidade do adiamento das eleições municipais, os partidos paralisaram quase de vez as atividades *** Alguns candidatos a prefeito e vereador ainda mantém contatos com o eleitorado pela internet *** Os comunicadores mais velhinhos na capital como Leo Ladeia e Anísio Gorayeb estão entocados em quarentena. Aqui no Diário eu e o Chagas Pereira trabalhando em casa ***Foi uma Páscoa salgada: os ovos de chocolate do coelhinho saíram os olhos da cara! Netinhos reclamando dos ovos diminutos…


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas