porto velho - ro, 03 Outubro 2019 02:19:42
    Diário da Amazônia

    App de baixar vídeos infectou um milhão de smartphones no Brasil

    Mais de um milhão de smartphones Android no Brasil foram infectados por um aplicativo chinês chamado VidMate, alerta o laboratório de..

    Por Extra, com agências internacionais
    A- A+

    Publicado: 23/05/2019 às 15h17min

    Smartphones Android são o alvo do aplicativo, diz laboratório britânico Foto: Marko Djurica / Reuters

    Mais de um milhão de smartphones Android no Brasil foram infectados por um aplicativo chinês chamado VidMate, alerta o laboratório de segurança britânico Upstream. O software, disponível para download em sites na rede, como Cnet ou Uptodown (mas não na Google Play Store), é usado para baixar vídeos e músicas de sites como YouTube, Vimeo e Dailymotion. Mas, ao ser instalado no celular, ativa malwares que coletam dados pessoais e cria anúncios invisíveis para os usuários. Sem a pessoa saber, o smartphone passa a clicar nesses banners ocultos, comprando serviços digitais, o que leva a prejuízos no fim do mês.

    — Os malwares usam a conta da operadora para cobrar pelos serviços “clicados”, mesmo quando o celular não está em uso — explica o diretor executivo da Upstream, Guy Krief, em entrevista por e-mail: — Assim, os usuários são cobrados pela navegação a mais em Vivo, Tim, Claro ou Oi.

    Segundo Krief, os sinais de que o aplicativo está operando sub-repticiamente no celular são fáceis de perceber.

    — A bateria se descarrega rapidamente, o telefone está sempre quente, o uso do pacote de dados aumenta sem explicação e aparecem cobranças por serviços digitais premium não acessados — descreveu.

    Prejuízo potencial de US$ 170 milhões

    A plataforma de segurança da Upstream, a Secure D, detectou e bloqueou 21 milhões de transações suspeitas no oriundas de um milhão de smarpthones brasileiros infectados, cujos usuários poderiam ter se inscrito em serviços digitais sem saber e perdido US$ 28 milhões em cobranças indevidas. Em média, cada usuário perderia US$ 100 por ano (com 3GB de dados extras ao mês) com a infecção.

    — No mundo, detectamos o problema em 15 países, com 4,8 milhões de pessoas afetadas pela ameaça. Conseguimos bloquear 128 milhões de transações móveis suspeitas, e evitamos um prejuízo estimado em US$ 170 milhões com os malwares — disse Krief.

    A Upstream diz que o software já foi baixado mais de 500 milhões de vezes no mundo. Além do Brasil, ele está presente em países como África do Sul, Egito, Qatar, Mianmar, Nigéria, Etiópia, Malásia e Kuwait.

    E como fazer para se livrar do aplicativo? Segundo a Upstream, a saída é desinstalá-lo imediatamente. Deve-se ir até “Configurações”, depois “Aplicativos”, procurar o app de vídeo e clicar em “Desinstalar”.

    Krief explica que esse tipo de software suspeito usa várias técnicas para se esconder, e nem todos os antivírus para smartphones são capazes de detectá-lo.

    — Estamos investigando outros aplicativos similares para verificar possíveis transações suspeitas, mas precisamos primeiro concluir a análise antes de revelar seus nomes. Será em breve — avisou o executivo.

    O aplicativo tem várias páginas na internet, mas quase todas induzem ao download imediato. Segundo a Upstream, ele pertenceria à UCWeb, uma divisão do grupo Alibaba. O site BuzzFeed tentou contato e recebeu como resposta a informação de que o app foi vendido a uma empresa de terceiros chamada Nemo Fish. De acordo com o site, um porta-voz do aplicativo culpou desenvolvedores rivais pelas transações suspeitas e afirmou ter “tolerância zero” com tais práticas. O EXTRA tentou contatar a UCWeb, mas não obteve resposta.



    Escreva um comentário