Porto Velho/RO, 06 Dezembro 2019 23:19:22
    Geral

    Bolsonaro transfere Secretaria de Cultura para Turismo

    Órgão estava no Ministério da Cidadania, sob o guarda-chuva de Osmar Terra. Filho do pastor R.R. Soares é cotado para assumir o comando.

    A-A+

    Publicado: 07/11/2019 às 08h32min

    Valter Campanato/Agência Brasil

    Foto: (Reprodução)

    O presidente Jair Bolsonaro (PSL) transferiu a Secretaria Especial de Cultura do Ministério da Cidadania para o do Turismo. A secretaria foi criada no início do atual governo para substituir o extinto Ministério da Cultura.

    A mudança foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (07/11/2019). Com a transferência, a Secretaria de Cultura passa a ser comandada pelo ministro Marcelo Álvaro Antônio, e não mais por Osmar Terra (foto em destaque).

    “A transição ocorre um dia após o governo exonerar o então secretário de Cultura, Ricardo Braga. Entre os nomes cotados a assumir o órgão está o filho do pastor Romildo Ribeiro Soares (R.R. Soares). A informação foi confirmada pelo porta-voz da presidência da República, Otávio Rêgo Barros”.

    A secretaria também foi alvo de disputas nos bastidores do governo. O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) tentou emplacar uma sequência de indicações, mas teria sido barrado por Terra. O parlamentar, que recebeu o aval de Bolsonaro para indicar nomes, acabou saindo frustrado do PSL.

    Além da Secretaria de Cultura, Bolsonaro transfere a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura — responsável por emitir pareceres sobre os pedidos de artistas que buscam financiamento pela chamada Lei Rouanet.

    O ministro Marcelo Álvaro Antônio recebe ainda o Conselho Nacional de Política Cultura, a Comissão do Fundo Nacional de Cultura e outras seis secretarias. O Metrópoles procurou a assessoria de imprensa de ambos os ministérios, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

    Além de Bolsonaro, Terra e Álvaro Antônio, o texto é assinado pelo ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Jorge Antonio de Oliveira.
    Fonte: (Metropóles)


    Deixe o seu comentário