porto velho - ro, 12 Setembro 2019 21:22:07

    CarlosSperança

    coluna

    Publicado: 23/07/2019 às 10h03min | Atualizado 23/07/2019 às 10h08min

    A-A+

    Brasil esta chegando ao fundo do poço com a economia emperrada

    Colocando em dúvidas As negativas do governo de que o desmatamento aumentou na Amazônia põem em dúvida a respeitabilidade dos..

    Colocando em dúvidas

    As negativas do governo de que o desmatamento aumentou na Amazônia põem em dúvida a respeitabilidade dos cientistas e a qualidade técnica do monitoramento. Na hora das provas será possível ver quem está errado, mas por ora permanece o ranço da eleição polarizada, que não cessa de causar prejuízos ao país.

    De qualquer forma, as informações sobre o tamanho da Amazônia ser maior do que se imagina cumprem a tarefa de manter vivo o debate sobre a importância da região, as necessidades de seu povo e as opções para o desenvolvimento sustentável. O que importa é aprofundar as pesquisas científicas e aproveitar bem a tecnologia para conhecer a região e explorar seu potencial sem prejudicar o futuro do Brasil e da humanidade.

    Maior, muito maior, aliás, poderia ser a Zona Franca, hoje sob forte ataque de interesses do Sudeste. Do alto de seus 91 anos, o ex-ministro da Economia Delfim Netto, estimou em recente entrevista que a ZF, idealizada em 1957 e criada dez anos depois, poderia ser “algo muito mais eficaz e cinquenta vezes maior”.

    É a voz de uma autoridade lúcida, que por sua qualidade estimula as lideranças da região a lutar pelo fortalecimento cada vez maior da estrutura de desenvolvimento da Amazônia.

    ………………………………………………

    Mais estudos

    O desbarrancamento ocorrido no final de semana às margens do Rio Madeira, no Complexo Madeira Mamoré, demonstra a necessidade de mais estudos para o Projeto Beira-Rio. Imaginem em plena inauguração em outubro as pedras da barreira de contenção cairem rio abaixo de novo?  O fenômeno das terras caídas também atinge as bordas da estrada do Belmont. É coisa de louco!

    Fundo do poço

    O Brasil esta chegando ao fundo do poço com a economia emperrada, presidente e governadores brigando, trapalhadas governistas seguidas, petistas e bolsonaristas se pegando e deixando de lado a busca de soluções para saúde e segurança pública em situação de calamidade. Um país sem rumo e ao invés, das forças políticas se dar as mãos estão se estapeando com ódio e rancor. O povo paga o pato.

    A emancipação

    O final de semana marcou os 30 anos de emancipação de Nova Mamoré, onde o Rio Beni, que nasce na Bolivia, encontra as caudalosas águas do Rio Guaporé, formando o nosso amado e estimado Rio Madeirão. Atualmente transformado em fronteira agricola, o município se tornou a mais importante bacia leiteira do estado, superando as produções de Jaru e Ouro Preto.

    Corte de verbas

    Com mais um corte de recursos anunciado pelo governo Bolsonaro no Orçamento da União fica dificil da economia engrenar. Só nestes primeiros meses do ano já foram dois contigenciamentos. O primeiro de R$ 29 bilhões, atingindo as esferas da Educação e Defesa. O segundo corte em maio, bloqueou recursos das universidades e institutos federais. O terceiro bloqueio já foi anunciado.

    Asas crescidas

    São tres possiveis candidatos ao governo de Rondônia aliados, e com a tratativa de “quem estiver melhor” será o candidato ao CPA em 2022, o ex-senador Expedito Junior, o atual presidente da Assembléia Legislativa Laerte Gomes e o senador Marcos Rogério desfilam pelo estado sorridentes. O duro é um pacto como este se prolongar, mesmo porque se o prefeito Hildon Chaves se reeleger será mais um a ficar de asas crescidas.

    Via Direta

    *** O ex-deputado Lindomar Garçon, que apoiou o aliado em Candeias na eleição suplementar, Lucivaldo Patricio, optou por permanecer em Brasilia na condição de lobista *** As comissões dos prefeitos na captação de recursos devem ser generosas*** O que as autoridades tem a dizer sobre o agravamento do fenômeno das terras caídas na orla do Rio Madeira? *** Asfaltar a estrada do Belmont é outro problema sério, pois sem resolver a questão dos desbarrancamentos a coisa toda vai água abaixo.

     


    Escreva um comentário

    sobre Carlos Sperança

    Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

    Arquivos de colunas