Porto Velho/RO, 09 Outubro 2020 08:31:47

CarlosSperança

coluna

Publicado: 09/10/2020 às 08h27min | Atualizado 09/10/2020 às 08h30min

A-A+

Campanha começa e já tem pé de guerra entre Hildon Chaves e Marcos Rocha

Cobiça estrangeira  O já esperado sucesso da Conecta Sebrae Agrolab Amazônia trouxe uma certeza: o modelo veio para ficar. Cerca de 60..

Cobiça estrangeira 

O já esperado sucesso da Conecta Sebrae Agrolab Amazônia trouxe uma certeza: o modelo veio para ficar. Cerca de 60 mil visitas a pavilhões com a possibilidade de contato direto com os responsáveis a qualquer instante nem sempre seria possível em feira presencial. Os leilões virtuais de gado, rodadas de negócios e experiências trocadas completaram o sucesso da Agrolab.

É preciso que as comunidades amazônicas privilegiem atividades positivas como a Agrolab, descoladas do ambiente de rancor, insultos e mau humor que turvam o debate sobre o clima e o futuro da Amazônia. A péssima imagem do Brasil não vem das atividades positivas e de sucesso empreendidas aqui dentro. Resultam do negacionismo improdutivo e da arrogância de não aceitar críticas, recusar o debate e a cooperação.

A tese da soberania nacional não funciona, porque não há uma só nação contra. Também é inútil a tese da “cobiça”. As críticas aos erros do governo brasileiro na proteção e aproveitamento da região vêm de estrangeiros que “cobiçam” a Amazônia ou a má imagem do país lá fora é um desastre causado aqui mesmo, por prevaricação e ineficiência? Considerando que o mundo inteiro cobiça o Vale do Silício, essa região deveria ter uma péssima imagem em todo o mundo, mas isso não acontece. A Amazônia é o nosso Vale do Silício. A péssima imagem do Brasil não é culpa de quem cobiça a Amazônia, mas de quem a maltrata.

…………………………………………………….

Pé de guerra

Com posições antagônicas na capital, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) e o govenador Marcos Rocha (Patriotas) começaram a se estranhar nesta temporada. O prefeito tucano é candidato a reeleição e o governador apoia Breno Mendes (Avante). Por conta das diferenças, até a máquina de asfaltamento emprestada pelo DER a gestão tucana por Confúcio foi retirada, sem cerimônia, de madrugada. Até suspeição de roubo foi registrada em BO. A rusga desgasta ambas as partes e os adversários comemoram a brigarada.

Vem de longe 

A retaliação a prefeitos, possíveis predadores dos governadores, vem de longe. Jerônimo Santana, que foi prefeito de Porto Velho, asfixiou o seu vice que assumiu, Tomás Correia que foi tratado a pão e água. Jerônimo preferiu estabelecer uma relação de confiança, com um adversário, o prefeito Chiquilito Erse. O governador Piana também não deu mole para José Guedes, Valdir Raupp idem. Cassol e Carlinhos viviam às turras, Confúcio até que se entendeu com Mauro Nazif e agora Marcos Rocha e Chaves entram em confronto. 

O congestionamento

Alguns setores da sociedade estão congestionados na disputa a vereança nos principais municípios rondonienses e esta fragmentação de votos poderá lascar a vida dos candidatos considerados competitivos. Chovem candidaturas na esfera militar, o segmento evangélico está repleto de postulantes, a área de saúde também, bem como a dos comunicadores. É tanto radialista e apresentador de TV, donos de jornais eletrônicos disputando a vereança, que a coisa pode desandar nas urnas.

Grandes desafios

Os 15 candidatos ao Palácio Tancredo Neves, sede do governo municipal, instalado no Prédio do Relógio começam a debater no horário gratuito os grandes problemas de Porto Velho sobejamente conhecidos pela sofrida população, como saneamento básico, com apenas a metade da população atendida  recebendo água encanada e 4 por cento de cobertura de esgoto. O combate as alagações, um problema histórico que tem se prolongado por várias gestões. Saúde, educação, mobilidade urbana, aterro sanitário, nova rodoviária, centro de convenções, um novo plano diretor, etc, etc. 

O agravamento

Ante o agravamento dos conflitos agrários em Rondônia, mais o assassinato de militares na região de Mutum Paraná, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) conclamou o Ministério da Justiça para resolver as questões e evitar novas vítimas no campo. Ao mesmo tempo, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) veio a Rondônia para colher subsídios a respeito na área conflitada a pedido do próprio presidente Jair Bolsonaro.  O Numero1 deve ter aproveitado para gravar programas eleitorais para os aliados.

Via Direta

*** As candidaturas laranjas que povoaram os partidos políticos nas eleições de 2018 estão de volta. Muitos partidos recorreram ao expediente novamente para formatar os quadros partidários para disputa a vereança*** Já tinha adiantado nesta coluna que Vinicius Miguel, dando pinta de favorito e predador, seria vítima de fakes News na temporada *** Não demoraram para as armações ilimitadas aparecerem, mas acabou dando efeito contrário*** Explorando as mídias sociais, os candidatos da era da pandemia seguem em frente na disputa dos cargos eletivos*** O melhor espaço para o horário gratuito ficou para o prefeito Hildon Chaves (PSDB) em Porto Velho*** Vai precisar mesmo, porque o pau começa a cantar no tucano. Sorte mesmo foi o tucano barbudo escapar dos debates no primeiro turno*** Mas no segundo, o bicho pega.


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas