Porto Velho/RO, 06 Outubro 2020 15:11:20

Carlos Sperança

coluna

Publicado: 03/10/2020 às 09h12min

A- A+

Candidato trabalhista ainda derrapa nas primeiras sondagens de pesquisas

Oposição radical O chefe do Conselhão da Amazônia, Hamilton Mourão, propôs a criação de uma agência para centralizar e..

Oposição radical

O chefe do Conselhão da Amazônia, Hamilton Mourão, propôs a criação de uma agência para centralizar e aperfeiçoar ações de monitoramento e alertas do governo federal relativos à floresta. Para ele, os sistemas Prodes e Deter são bons, mas têm falhas e o país precisa de uma agência como a National Reconnaissance Office, do Ministério da Defesa dos EUA, para integrar todos os sistemas com custo menor e mais eficiência. 

À parte as manias egocêntricas do presidente Donald Trump, há organismos de excelência nos EUA dignos de copiar, e por certo a NRO é um deles. É possível que Mourão, ao fazer essa ótima proposta, estivesse pensando nos caros microssatélites de R$ 145 milhões encomendados pelo Censipam (Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia).

A oposição no Brasil já pode se aposentar, pois há mais oposição dentro do governo que fora, com brigas ferozes entre as alas internas. Horas depois de Mourão propor a NRO amazônica, o governo cancelou a compra dos microssatélites, com a poda de R$ 430 milhões no orçamento. Negar os problemas fez o mundo perder o respeito pelo Brasil e só providências eficazes podem mudar a triste situação.  As boas soluções, já se viu, até existem. Agência rimando com transparência, como a NRO, viria a calhar, mas aí vem a oposição interna e cancela tudo. A oposição do orçamento curto é a mais radical.

…………………………………………………..

Falam as urnas!

 O município de Porto Velho, com seus 106 anos de emancipação, vai as urnas em novembro para escolher pela décima vez seu prefeito pelo voto direto desde a criação do estado em 1981. Já foram eleitos nove alcaides na capital rondoniense, hoje com uma população de 534 mil habitantes, contando com 333 mil eleitores. Os três primeiros prefeitos, na era Estado, foram nomeados, Francisco Paiva, Sebastião Valadares e José Viera Guedes. Eram maltratados e obrigados a serem submissos ao governador de plantão. 

Os eleitos

 Vejam os prefeitos eleitos pelo voto direto desde a década de 80: Em 1985, com Jerônimo Santana (PMDB), em 1988, Chiquilito Erse (PFL), em 1992 José Guedes (PSDB); em1996 Chiquilito Erse  (PDT); em 2000 Carlinhos Camurça (PTB); em 2002 Roberto Sobrinho (PT); em 2008 a reeleição de Roberto Sobrinho (PT); em 2012 Mauro Nazif (PSB),  em 2016, Wildon Chaves (PSDB). As curiosidades: José Guedes foi prefeito uma vez indicado e outra pelo voto direto. Chiquilito foi eleito duas vezes, Roberto Sobrinho o único reeleito.

Boa sacada

O prefeito Hildon Chaves (PSDB) tirou um coelho da cartola e antecipou a operação da nova empresa de transportes coletivos em Porto Velho. A paralisação do Consorcio Sim estava gerando desgastes para ele em plena campanha para a reeleição e a cada dia de omissão ele pagava caro mais este enguiço da sua gestão perante a opinião pública. Novos ônibus com ar condicionado são um aperitivo da empresa que só começa a operar a pleno pano na segunda quinzena de outubro. 

Tarifa de integração

Aproveito para enfatizar a implantação da Linha dos Trabalhadores –ainda não explorada pela equipe do prefeito tucano – a partir do final de outubro. É o sistema de integração das linhas de transportes coletivos, beneficiando a classe trabalhadora, possibilitando numa única tarifa percorrer linhas distantes utilizando terminais de transbordos na região central. O usuário vem da Zona Sul (região do Eldorado), troca de ônibus para a zona Leste (Tancredo) sem pagar outra tarifa. Falava-se disto desde Chiquilito.

Construção civil

Em plena pandemia o setor de construção civil e de venda de imóveis cresceu mais de 10 por cento em Porto Velho. Os condomínios recém lançados foram vendidos e novos arranha-céus foram anunciados pelas construtoras para o final de ano. As imobiliárias estão vendendo bem, muitos empregos recuperados no segmento em vista das facilidades de financiamentos pela Caixa Econômica e redução  dos juros para financiamentos no Itaú.

Via Direta

*** As tradicionais festas agropecuárias que vitaminavam a economia de Rondônia, exibindo a musculatura do agronegócio  do estado foram chutadas para o ano que vem por causa da pandemia *** Até lá, na metade de 2021 a vacina contra o coronavirus já estará rolando nos lares brasileiros *** O PTB da capital busca reforçar a campanha do candidato do agronegócio, Leonel Bertolim  *** O candidato trabalhista  ainda derrapa nas primeiras sondagens embora com um bom plano de governo, com olhos no futuro ***  Trocando de saco para mala: A violência rola solta nos grandes conjuntos habitacionais da capital dominados pelas facções criminosas  *** Todo final de semana os embates pela disputa de pontos de vendas de drogas acabam em banho de sangue *** Esperando os debates: que  o prefeito Hildon reforce suas paliçadas e vá  para os eventos de capacete – e armadura!


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas