Porto Velho/RO, 16 Setembro 2021 10:58:34
Política

CPI dá 48h para Saúde explicar suspensão da vacinação de adolescentes

Um dia após iniciar a imunização do grupo, o Ministério da Saúde recuou e determinou a interrupção da campanha

A-A+

Publicado: 16/09/2021 às 10h58min

Foto: Divulgação

A CPI da Covid-19 requisitou, nesta quinta-feira (16/9), que o Ministério da Saúde informe o fundamento científico que pautou a recomendação pela suspensão da vacinação contra Covid-19 para adolescentes de 12 a 17 anos. Um dia após iniciar a imunização, a pasta recuou e determinou a interrupção da campanha.

O requerimento é de autoria do vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Ele criticou os argumentos apresentados pela pasta para decidir pela suspensão da imunização.

“A nota diz que a primeira razão é o fato de a Organização Mundial da Saúde [OMS] não recomendar a imunização de crianças e adolescentes com ou sem comorbidades. Em uma rápida pesquisa no site da OMS, o que ela diz é que essa vacinação não é prioritária, por óbvio. Me parece que há uma diferença gigante em não ser prioritário e essa nota do Ministério da Saúde que fala em não recomendar”, explicou.

O requerimento solicita esclarecimentos no prazo de 48 horas. “Com todo respeito a eventuais cientistas que tenham subscrito a nota dizendo que OMS não recomenda vacinação, queria encaminhar aqui requerimento para que no prazo de até 48h o Ministério da Saúde declinasse o fundamento científico dessa nota”, completou.

Entenda

Em nota técnica enviada pela pasta às secretarias de Saúde, o ministério informa que “revisou” a recomendação e justifica que a maioria dos adolescentes sem comorbidades acometidos pela Covid-19 apresentam evolução “benigna”, apresentando-se assintomáticos.

A nota foi publicada no sistema do Ministério da Saúde às 21h30 de quarta-feira (16/9), ou seja, menos de 24 horas após o início da campanha para esse público.

“Os benefícios da vacinação em adolescentes sem comorbidades ainda não estão claramente definidos”, explica no texto a secretária Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, Rosana Leite de Melo.

Além disso, segundo Rosana, a Organização Mundial de Saúde (OMS) não recomenda a imunização de criança e adolescente, com ou sem comorbidades. Este ponto levantou questionamentos dos senadores que integram a CPI.(Metrópoles)

 



Deixe o seu comentário