Porto Velho/RO, 06 Outubro 2021 12:31:14

CarlosSperança

coluna

Publicado: 06/10/2021 às 12h25min | Atualizado 06/10/2021 às 12h31min

A-A+

Deputados alvos de condenações que não queriam largar o poleiro ameaçavam abrir o bico

Política ideal Num planeta ideal não haveria fome nem clima assustador. Perda narrada desde a crônica bíblica até os mitos indígenas,..

Política ideal

Num planeta ideal não haveria fome nem clima assustador. Perda narrada desde a crônica bíblica até os mitos indígenas, o Jardim do Éden é a saudade de um tempo sem volta. Por sua vez, a política ideal é um sonho sempre imaginado e jamais vivido. O “Jardim do Éden” político se frustrou já no Império, com colônias libertárias engolidas pelo capitalismo sem ética do século XIX. Na atualidade, a plataforma “Amazônia Que Eu Quero”, lançada pela Fundação Rede Amazônica, embarca na ideia de uma democracia finalmente vencedora e aperfeiçoada pelo desenvolvimento da ciência e da tecnologia.

A ideia que norteia a plataforma é tão pura quanto a idealização do Éden: por cima, fazer os líderes saberem de imediato o que as pessoas com ideias estão propondo e o que está atormentando os incomodados. Por baixo, concretizar a democracia na vida diária das pessoas, que ao contrário de aplaudir discursos desenhados por marqueteiros e jamais cumpridos darão uma pauta objetiva para a esfera pública.

É fácil ceder ao ceticismo e supor que se a “nova política” se rendeu ao Centrão, a nova plataforma também terá dificuldades para vencer. De qualquer forma, é legítimo pretender que a Amazônia seja o lugar em que a felicidade não seja abstrata, concretizando-se em realizações palpáveis em benefício das maiorias hoje empobrecidas pelas crises desta época tão difícil.

……………………………………………………………………………………….

Corrida a filiações

Mesmo antes de ser criado já existe uma corrida para filiações ao União Brasil, sigla que vai resultar da fusão entre o PSL de Luciano Bivar e os Democratas de ACM Neto. A busca pelas filiações, ocorre principalmente de bolsonaristas, indicando que a perspectiva da nova legenda virar oposição e lançar uma terceira via é pura balela. A coisa está andando para o União pelo Brasil apoiar ou até hospedar e projeto de reeleição do presidente Jair Bolsonaro. Os novos diretórios estaduais já tão sendo liberados para se engajar nesta campanha.

Indícios rondonienses

Os indícios de que a nova sigla será realmente bolsonarista estão para todos ver. Em Rondônia, por exemplo, o presidente estadual dos Democratas Marcos Rogério e o presidente estadual do PSL, governador Marcos Rocha, integram a base do novo partido e disputam a hegemonia da nova agremiação. Ambos são bolsonaristas de raiz e não entrariam numa legenda contrária as pretensões de reeleição do “capetão”. Os incomodados nos Democratas e no PSL que se mudem, é assim que a banca toca na política, as decisões vêm de cima para baixo, sem audiências públicas para se decidir entre os convencionais.

Mais atingidos

Depois dos episódios das cassações dos deputados estaduais Edson Martins (MDB-Urupá) e de Aécio da TV (PP-Porto Velho), existem pelo menos mais três casos para serem decididos nos próximos meses. Do irrequieto Geraldo da Rondônia (PSC-Ariquemes), por improbidade administrativa, Saulo Moreira (MDB-Ariquemes), que foi objeto de recontagem de votos pela justiça eleitoral e do lebrão rapinante (MDB) flagrado com sacos de dinheiro oriundos de propinas. De todos os casos, o mais justo de cassação seria o de Lebrão, mas se for condenado ele ameaça abrir o bico – e aí vai muita gente para o beleléo.

Só com negociação

Lembrando que na década passada os deputados alvo de condenações que não queriam deixar o poleiro de jeito nenhum, ameaçando abrir o bico. Foram necessárias exaustivas negociações para que aceitassem a punição. Dizem que ocorreram boas compensações ao cassados para a Casa de Leis “dar uma resposta a sociedade”. Geralmente os entendimentos também passam por indicações comissionadas na esfera estadual e na Casa de Leis e até emprego para o deputado cassado que só larga o osso de uma vez com a justiça entrando em cena, como ocorreu com Aécio da TV, cassado e logo nomeado.

Como andorinhas

Expulsos como indesejáveis da fronteira dos Estados Unidos com o México, e como andorinhas com as asas quebradas e cheias de dor, uma grande revoada de imigrantes haitianos, venezuelanos e, brasileiros está desembarcando as centenas no Chile, Peru e Brasil, diante de uma nova realidade. No Chile, que já abrigou mais de 200 mil imigrantes em anos passados, com as vacas gordas na sua economia, as coisas já não são as mesmas. O Peru padece com a pandemia e elevada inflação, no Brasil o desemprego atinge patamares insustentáveis nas grandes regiões metropolitanas, campeando a fome e a miséria

Via Direta

*** O PT acreano já está escalando seu time para enfrentar o poderoso governador Gladson Cameli nas eleições de outubro*** O comandante petista é o ex-governador e ex-senador Jorge Viana que receberá o presidenciável Lula neste final de ano para abençoar sua campanha *** Em Porto Velho as imobiliárias informam que o aluguel residencial está atrativo, com boa procura, no entanto o aluguel comercial destinado aos lojistas ainda patina. Sobram salas comerciais nas galerias e galpões nos bairros*** O segmento depende da recuperação econômica da capital rondoniense *** Por falar em economia, o comércio já começa a constatar procuras por conta do Dia das Crianças no próximo dia 12. A expectativa é de turbinar as vendas de brinquedos para a criançada.


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas