Porto Velho/RO, 17 Maio 2020 08:01:30

CarlosSperança

coluna

Publicado: 17/05/2020 às 08h01min

A-A+

Dezenas de políticos já foram presos por superfaturamento, em RO

Credibilidade abalada Por vários motivos e agora somado ao desgaste provocado pela pandemia do coronavirus, muitos prefeitos rondonienses..

Credibilidade abalada

Por vários motivos e agora somado ao desgaste provocado pela pandemia do coronavirus, muitos prefeitos rondonienses vão às urnas para a reeleição desgastados. Para início da conversa já antes da doença se espalhar, as municipalidades não conseguiam atender as demandas de saúde e educação, penavam com o transporte e merenda escolar e a malha de suas estradas rurais para o escoamento da produção já era sofrível. O que dirá de saneamento básico…

Não bastasse as sucessivas condenações de prefeitos e vereadores – vários casos de cassações – para abalar e gerar desconfiança dos candidatos, temos ainda um retrospecto que atinge de vez a classe dos alcaides. Desde a criação do estado em 1981, dezenas deles já foram presos por superfaturamento, má gestão e tantos outros mal feitos típicos da administração pública. Prefeito honesto, probo e transparente, se transformou num artigo raro.

Num estado de colonização recente e onde já foram constatados casos de prisões de políticos por roubo de gado, tráfico de drogas e até de “caranguejeiros” (que é a prática de roubo de caminhões) é preciso pelo menos levar em consideração uma coisa no pleito deste ano em favor dos políticos: o candidato ao cargo de prefeito sabe desde já que terá quatro anos duros pela frente, pois terão as municipalidades quebradas. Não é à toa que o prefeito de Ariquemes Thiago Flores desistiu do seu projeto de reeleição, mesmo pitoco, político promissor e tendo boas chances para conquistar um segundo mandato.

………………………………………………………..

Que situação!

Com as regras ditadas pela OMS e estados e municípios apertando a fiscalização com o coronavirus, a exploração do lenocínio, ou seja, da prostituição, é um dos segmentos mais atingidos. Mas clandestinamente alguma coisa do ramo ainda funciona na capital rondoniense, pelas portas dos fundos. No centro, a tradicional Maria Eunice fechou as portas de vez, como o histórico Tartaruga e a prostituição de rua caiu pelas tabelas. Mas sob os viadutos, garotas de programa e travestis se viram como podem, assim que escurece.

É preocupante

A Amazônia, para o bem (seria a solução para o mundo) ou para o mal (o temor de uma exploração insustentável) é o elemento central do desafio do aquecimento global e figura no topo dos assuntos mais preocupantes do mundo, ao lado da Covid-19, guerra comercial EUA-China e da lentidão da economia, já sinalizada antes da pandemia.

Turismo aniquilado

A pandemia aniquilou o turismo, embora não diminua o interesse voltar a viajar naqueles que se obrigam ao isolamento social. Planejar viagens ficou fácil: pacotes, custos, detalhes sobre cada sítio a visitar, tudo é facilitado pela ampla oferta de informação oferecida pelo avanço das comunicações. Como só é possível viajar pelas asas da tecnologia, cresceu o acesso ao Street View, com imagens em 360º das regiões mapeadas.

Megaoperação

Se o Conselho da Amazônia ao comando do general Hamilton Mourão e a megaoperação militar de um mês na Amazônia Legal reverterem a péssima imagem do Brasil no exterior haverá um potencial de visitação incalculável para a região. Uma primeira dificuldade para tanto foi a redução dos recursos em 36 por cento para o combate ao desmatamento durante este ano. É lamentável.

Bem a vista

É preciso entender que a duração e a importância das ações de GLO chamarão o olhar direto do mundo para a região. Por mais que a máquina de fake news negue os problemas, eles estarão bem à vista, de imediato e com detalhes. A velha tática evasiva de negar os problemas deixa de funcionar quando a informação é ampla. O melhor a fazer, nesse caso, é resolvê-los de imediato.

……………………………………………………….

Via Direta

***Com os vizinhos batendo recordes de casos do coronavirus, como o Acre e Amazonas, Rondônia sofre as consequências *** E com tanta incidência da doença na capital rondoniense, visitantes de Porto Velho no interior do estado já são considerados indigestos e personas non gratas. Os portovelhenses estão sendo discriminados, como se fossem “bodes de bicheira”*** Por falar na capital, a população está apavorada com o que circula pela cidade a respeito da pandemia. Uma das notícias dá conta de que existem portadores da doença transitando normalmente pelas ruas da cidade *** Os infectados justificam que precisam sair de casa para trabalhar, caso contrário eles e seus familiares morrem de fome *** Fico na torcida que seja mais um dos fakenews tão comuns nos últimos tempos nestas bandas para apavorar a população.


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas