porto velho - ro, 23 Maio 2019 17:55:13

Solano Ferreira

coluna

Publicado: 15/05/2019 às 09h33min

A- A+

Dia de manifestação com estudantes e servidores

Caso não haja um quantitativo que impressione, a vantagem nessa peleja será para o governo.

H oje será um dia de teste para o governo Bolsonoro e para estudantes e sindicalistas que puxam a greve nacional de um dia, contra a reforma da Previdência e contra os cortes em recursos para as universidades federais e institutos federais. Se a mobilização conseguir levar bom número de pessoas às ruas, numa quarta-feira, naturalmente ganhará força nos pleitos e terá peso na decisão dos congressistas. Caso não haja um quantitativo que impressione, a vantagem nessa peleja será para o governo.

Os defensores dos direitos previdenciários e das instituições de ensino consideram que o governo fará cortes de quase R$ 6 bilhões no orçamento da Educação, afetando inclusive as pesquisas em andamento e a manutenção das instituições. Pelo governo, o discurso não é de corte, e sim, de contingenciamento, que no final acaba sendo um corte porque o dinheiro não utilizado ficará como sobra.

Os manifestantes esperam ainda, sensibilizar o STF (Supremo Tribunal Federal) que julgará em breve ação movida pelo PDT (Partido Democrático Trabalhista) que questiona os cortes de 30% nos recursos das universidades e institutos federais. Apesar de que juridicamente o mérito do voto deva vir dos fatos e dos direitos, uma articulação de peso nas ruas poderá chamar a atenção da Corte quanto aos votos de cada ministro.

As opiniões sobre o assunto estão inflamadas. Nesta semana foram realizadas em Porto Velho várias reuniões plenárias na Unir (Universidade Federal de Rondônia) e no Ifro (Instituto Federal de Rondônia, onde estudantes e servidores da educação debateram o problema. Alguns parlamentares da bancada federal de Rondônia compareceram e deram suas opiniões. Entre idas e vindas nada se ajustou em termos de uma pauta única em Rondônia.

Um ato público está sendo organizado para a tarde de hoje, na praça das Caixas D’água, região central de Porto Velho, onde os debates serão públicos e abertos em busca de entendimento. Mobilizações semelhantes acontecerão em todas as capitais e nas principais cidades do País. A organização envolve grupos acadêmicos, sindicatos e instituições relacionadas à educação e pesquisa.


Escreva um comentário

Arquivos de colunas