Porto Velho/RO, 11 Dezembro 2019 19:00:50

    CarlosSperança

    coluna

    Publicado: 28/11/2019 às 08h11min

    A-A+

    Do Mensalão ao aquecimento global, negar é a arma predileta

    Sementes do amanhã Do Mensalão ao aquecimento global, negar é a arma predileta de muitos governantes. Não vai tirar o protagonismo da..

    Sementes do amanhã

    Do Mensalão ao aquecimento global, negar é a arma predileta de muitos governantes. Não vai tirar o protagonismo da Amazônia no ranking das possíveis causas do Apocalipse, mas não há como negar que Alan Mendonça, diretor da sérieSementes do Amanhã (canal Futura, noites de terças), tem razão ao supor que todos os biomas brasileiros estão ameaçados.

    A pesquisa sobre alimentos ameaçados de extinção feitas pela equipe que por dez meses coletou informações em comunidades tradicionais das cinco regiões do país chegou a um resultado que faz parecer meros mexericos tergiversações e versões em torno de STF, antagonismo Maia-Alcolumbre, deslizes verbais dos líderes políticos e coisas irrelevantes do (ou de) gênero. 

    O simples fato de narrar (pela voz da jornalista e escritora gaúcha Nanda Barreto) a história de alimentos como o buriti, açaí, castanha-da-Amazônia, Butiá, pinhão, o umbu e a baunilha do Cerrado e supor que essas maravilhas da nossa biodiversidade estejam de alguma forma sob ameaça são informações suficientes para ir além das negações e desmentidos.

    Investigações apuradas sobre as tragédias anunciadas são necessárias. Há crimes de lesa-pátria e de lesa-humanidade – e nenhum pode ser ignorado ou ficar impune. Fala-se muito em criar o “pecado ecológico”, mas o crime ecológico é bem velho e não pode continuar passando em branco.

    …………………………………………

    Os interesses

    A maioria das novas lideranças e tampouco os caciques políticos de Porto Velho não tem interesse na reeleição do prefeito Hildon Chaves (PSDB). Reeleito, o tucano pode se transformar num forte predador daqueles que se interesam pelo Senado e pelo posto do governador Marcos Rocha (PSL) no pleito de 2022. Portanto muitos apoios anunciados, serão de boca para fora, inclusive de aliados que estão voduzando o alcaide desde já.

    Contra todos

    Na disputa pelo governo do estado, numa reeleição já tivemos um caso de uma luta contra tudo e contra todos. Na reeleição do então governador Ivo Cassol, em 2006, na peleja do segundo turno, todo mundo se uniu – de hebreus a fariseus, de peemedebistas a pefelistas – para derrotar o então mandatário, mas a coalizão tubulou gloriosamente. Foi a maior aliança já feita nestas bandas, mas sem conseguir mudar o rumo dos ventos, então favoraveis a Ivo.

    Uma aventura

     O decano da imprensa rondoniense e nosso colega Leo Ladeia, o bom baiano, da rede TV, viveu a aventura com uma viagem rodoviária de Porto Velho a Londrina, no Paraná, com quase 3 mil quilômetros de distância. De tempos em tempos eu faço o mesmo trajeto para ver como estão crescendo as cidades ao longo de Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Recomendo a viagem, pela Eucatur, especialista em trechos longos.

    Predadores a vista

     Com fortes predadores em suas regiões, as três deputadas federais eleitas por Rondônia vão ter que se espichar no projeto da reeleição. A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-Porto Velho), por exemplo, já busca novos redutos para compensar o espaço perdido na capital para Leo Moraes e Mauro Nazif. Na eleição de 2018 a tucaninha já estava também com os pés fincados em Jaru e Vilhena.

    As gozações

     Logo depois que o ex-deputado estadual (ótimo deputado por Rolim) e ex-prefeito (ótimo prefeito de Santa Luzia e péssimo prefeito de Rolim) Cesar Cassol se declarou amigo para sempre do presidente exilado da Bolivia, Evo Morales, posando inclusive com cocar e adornos indigenas, Morales foi chutado para o México pela nova presidenta. Por isto, na Zona da Mata estão dizendo que César, hoje um milionário sojicultor nos altiplanos bolivianos é um baita pé frio!

       Via Direta

    *** A falta de planejamento nas esferas municipais e estaduais tem causado sérios prejuizos ao setor da educação nos distritos e localidades ribeirinhas de Porto Velho*** Centenas de estudantes estão com o ano letivo comprometido pela falta de transporte escolar, um problema que só será resolvido no ano que vem*** Cada vez mais difícil montar uma Frente de Esquerda na capital. PT, PSOL, PSTU, e PC do B não se entendem*** A Energisa, que virou uma Geni em Rondônia, trabalha para reduzir os “gatos” nas residências de antigas invasões aonde existem ligações feitas até com arame farpado*** E ao conseguir a redução das ligações clandestinas, poderá diminuir o custo da tarifa para a população em geral e evitar possíveis tragédias*** Em alguns conjuntos habitacionais da capital não é possível nem sair de casa para a padaria*** Na volta, o morador vai constatar o roubo de bujões de gás, aparelhos eletrônicos e até carne na geladeira. Coisa de louco!

     


    Deixe o seu comentário

    sobre Carlos Sperança

    Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

    Arquivos de colunas