Porto Velho/RO, 22 Julho 2020 10:51:00

RobertoRavagnani

coluna

Publicado: 22/07/2020 às 10h50min

A-A+

Exemplo para as gerações

O voluntariado tem se destacado nesta tragédia humanitária pela qual o mundo passa e já se destacou em outros momentos, em tragédias..

O voluntariado tem se destacado nesta tragédia humanitária pela qual o mundo passa e já se destacou em outros momentos, em tragédias mais especificas e locais, nos mais variados lugares do mundo, pois o voluntariado tem o poder de se adaptar de forma muito rápida e orgânica e fazer com que a ajuda especifica possa chegar de forma efetiva e controlada para quem efetivamente precisa.

Não estou aqui dizendo que não existam desvios de conduta no voluntariado, existem, afinal os voluntários são pessoas e como tal, falíveis, mas o índice de eventos de desvios, má conduta dentro de ações de voluntariado são ínfimos, perto do que vemos de forma geral na sociedade, por isso tem um poder de capilaridade e de arrebanhar tantas pessoas pelo mundo afora.

O voluntariado pressupõe pessoas imbuídas de boa vontade para mitigar problemas emergenciais, só por isso já demanda de pessoas com uma visão ampliada e diferenciada na e da sociedade, isso ainda não zera os riscos, mas como normalmente o número de voluntários envolvidos em ações são grandes, o poder de fiscalização também é.

Quando muitos se juntam com esta característica de trabalho humanitário, os desvios se tornam mais difíceis, pois um ajuda o outro e ao mesmo tempo fiscaliza o outro para este tipo de ocorrência, até por que, quando falamos de brasileiros, infelizmente, temos exemplos ruins em vários patamares e atividades, portanto estamos calejados de tantas formas de “jeitinhos” para desvios de conduta.

O voluntariado tem se mostrado uma grande ferramenta de ação social e de prestação de serviço competente e sério para a comunidade e onde de forma geral a sociedade deposita confiança no trabalho realizado. Um ótimo exemplo para o mundo, onde a seriedade, confiabilidade, honestidade, são caraterísticas práticas comuns e não excepcionais como na política de grande parte dos governos dos países sul-americanos. Que cada vez mais o mundo siga este exemplo.


Deixe o seu comentário

sobre Roberto Ravagnani

Colaborador do Diário da Amazônia-  Roberto Ravagnani é autor, palestrante, jornalista (MTB 0084753/SP), radialista (DRT 22.201), conteudista e Consultor de voluntariado e responsabilidade social empresarial. Voluntário palhaço hospitalar desde 2000, fundador da ONG Canto Cidadão, Associado para o voluntariado da GIA Consultores no Chile, fundador da Aliança Palhaços Pelo Mundo, Conselheiro Diretor da Rede Filantropia, sócio da empresa de consultoria Comunidea e Membro Engage for business. www.robertoravagnani.com.br

Arquivos de colunas