Porto Velho/RO, 31 Agosto 2021 17:35:31

CarlosSperança

coluna

Publicado: 13/07/2021 às 09h41min | Atualizado 13/07/2021 às 09h42min

A-A+

Expedito está empenhado na paz tucana para tocar o seu projeto em 2022

Fronteiras estendidas É animadora a retomada de ações militares especiais na Amazônia. As Forças precisam estar em todo o território..

Fronteiras estendidas

É animadora a retomada de ações militares especiais na Amazônia. As Forças precisam estar em todo o território nacional e ter um foco muito específico nas peculiaridades desta região, pela diversidade de países com os quais faz limites, compartilhando a floresta como valioso e estratégico patrimônio comum. Mas é preciso entender a complexidade dessas relações. A soberania não pode se limitar a linhas políticas de fronteira e o nacionalismo já não faz mais sentido. Políticas apenas nacionais são impossíveis se interferem em nações vizinhas.

 Apesar das brincadeiras feitas com presidentes que inventam fronteiras inexistentes para o país, não é errado supor que o Brasil tenha “fronteiras” até com a Groelândia quando cientistas do Instituto Potsdam de Pesquisa de Impactos Climáticos, na Alemanha, observaram que de lá até a Antártida há uma zona de mútua influência que abarca cerca de um terço do planeta. 

Com isso, o derretimento do gelo por lá tem a ver com a mudança nas chuvas por aqui, aumentam o nível do mar e afetam o gelo antártico. Diante dos fatos, não há como evitar a conclusão de que independentemente do que digam ongs, nacionalistas, cientistas ou políticos, a natureza não dá a mínima para as fronteiras políticas ou para os regimes de governo de cada país. Há uma bola solta no espaço com oito bilhões de pessoas clamando por vida, saúde e menos brigas.

……………………………………………………………………………..

Regime militar

Não é à toa que o presidente Jair Bolsonaro surfa com elevado índice de popularidade em Rondônia. No DNA do estado, tem os milicos. O estado foi criado na gestão do então presidente general João Figueiredo, tendo o seu ministro do Interior, coronel Mário Andreazza um dos principais artífices apoiando decisivamente o então mandatário coronel Jorge Teixeira a frente do governo de Rondônia para dotar o novo estado de infraestrutura. Enquanto faltava dinheiro no pais, numa recessão brava no início da década de 80, jorravam recursos para Rondônia. Bons tempos.

A influência

Por conta da influência dos militares na colonização rondoniense – o estado foi criado para aumentar a representatividade da Arena no Congresso Nacional onde o então MDB ganhava grandes proporções e um presidente civil seria eleito por um colegiado no Congresso – temos cidades com nomes do Ministro Andreazza, de Teixeirão, de Presidente Médici. A milicada toda foi toda homenageada, mas a estratégia de criar três novos estados para influenciar o colégio eleitoral na eleição do presidente não deu certo. O PDS rachou, Maluf venceu Andreazza na convenção da Arena e posteriormente Maluf perderia a eleição para Tancredo Neves no Congresso numa eleição indireta.

RO em chamas

Novamente o estado de Rondônia ficou entre os três que mais desmatam no País e Porto Velho entre os municípios mais infratores contra o meio ambiente, tal sua proporção, já que seu território é o equivalente a toda região Oeste do Paraná. Colonizado majoritariamente por migrantes sulistas, capixabas e mineiros, Rondônia foi vítima de estados com grande tradição na devastação de suas florestas e que agora cobram daqui a sensibilidade que não tiveram com seu meio ambiente. Recebemos verdadeiras hordas de saúvas nos anos 80 e 90 e o resultado está aí: invasões nos parques nacionais e terras indígenas, rios e igarapés secando e uma grande estiagem pela frente.

A exportação

Mas se Rondônia recebeu grandes levas de madeireiros migrantes saúvas do Paraná, Rio Grande do Sul, Espirito Santo e Minas Gerais, a partir do final dos anos 90 passou exportar colonos saúvas para o Norte do Mato Grosso (região de Colniza), sul do Amazonas (Apuí) e para o Acre. As regiões colonizadas pelos migrantes rondonienses, quase trinta anos depois do avanço migratório já está entre as recordistas de queimadas na Amazônia. Pior para Rondônia porque em determinadas ocasiões do ano a fumaceira toda acaba se juntando nos céus de Porto Velho, com grossas e poluidoras camadas de fumaça.

Paz tucana

O ex-senador Expedito Junior (PSDB) está empenhado na paz tucana para tocar seu projeto de eleição em 2022. Por isto aceita um desaforo aqui, outro ali como rolou recentemente. Sua eleição depende de uma aliança forte com os Democratas, tendo como candidato ao governo o atual senador Marcos Rogério. O PSDB indicaria o vice na chapa, que poderia ser uma mulher, a deputada federal Mariana Carvalho ou a esposa do prefeito Hildon Chaves, Yeda Chaves. Uma chapa poderosa e que reforça Expedito na capital, onde se encontra o seu maior calcanhar de Aquiles.

 

Via Direta

*** Não se falou mais no novo Plano Diretor de Porto Velho elaborado ainda no ano passado e com algumas questões ainda abertas  para se resolver*** Ninguém pode, no entanto, se queixar de um plano democrático, já que foram realizadas dezenas de audiências públicas com os mais diferentes segmentos da sociedade da capital e nos seus principais distritos*** O blocão de deputados federais derrotados nas últimas eleições de 2018 tenta ganhar corpo através uma grande aliança*** Nas contas da coalizão, o agrupamento pode eleger pelo menos três federais e aí está a esperança do ressurgimento de nomes de porte dos ex-deputados Lindomar Garçom e Luiz Claudio e candidatos como Sebastiao Valadares ligado ao meio evangélico*** E os Democratas apostam na eleição do dirigente Fabrício Jurado á Câmara dos Deputados pela capital. Um nome emergente na política local.  


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas