Porto Velho/RO, 22 Fevereiro 2021 13:02:25
Diário da Amazônia

Fisioterapeuta tem crise de sonambulismo e cai do 3º andar de hotel

Talyssa Oliveira, que trabalha em dois hospitais de referência em atendimento à covid-19 no Mato Grosso

A-A+

Publicado: 22/02/2021 às 13h01min | Atualizado 22/02/2021 às 13h02min

Divulgação

Uma fisioterapeuta de Cuiabá, no Mato Grosso, está internada há 15 dias, em um hospital particular do Rio após cair do terceiro andar de um hotel em Copacabana, na Zona Sul do Rio. De acordo com familiares, Talyssa Oliveira Taques, de 27 anos, trabalha em dois hospitais referência em atendimento à covid-19 no estado do Centro Oeste e estava em uma rotina de vários plantões seguidos. Ela aproveitou a folga em um fim de semana para viajar com os pais e irmãos, mas na primeira noite na cidade, teve uma crise de sonambulismo, devido ao cansaço, e caiu da janela.

Em entrevista ao portal G1, Angélica Oliveira, mãe da jovem, contou que a família saiu para jantar em um restaurante e após a refeição, Talyssa pegou um carro de aplicativo para encontrar uma amiga de profissão, que também estava a passeio na cidade.

“Elas chegaram no hotel de madrugada. Por volta das 3 horas, a amiga dela dormiu e não viu o que aconteceu. Quando ela acordou, a Talyssa não estava mais no quarto, mas as coisas dela estavam lá. A menina ficou preocupada quando acordou, mas imaginou que ela foi dormir no meu quarto”, contou ao portal.

Por volta das 4h30 da manhã, um dos seguranças do hotel encontrou Talyssa caída na entrada do porão e a socorreu. A mãe relatou que após a queda, a jovem ficou desacordada por um tempo e, quando acordou, não conseguiu andar para sair do local e pediu socorro.
Talyssa está internada em um hospital particular há 15 dias, por falta de vagas nos hospitais públicos da cidade. A mãe contou que apesar da profissional ter plano de saúde, o convênio não cobriu todo o atendimento e a despesa no local já está acima de R$ 20 mil. A família chegou a criar uma vaquinha online.

(https://www.vakinha.com.br/vaquinha/remocao-uti-aerea) para tentar a transferência da fisioterapeuta para Mato Grosso.
(O Dia)


Deixe o seu comentário