Porto Velho/RO, 27 Junho 2020 06:16:06

SolanoFerreira

coluna

Publicado: 27/06/2020 às 06h16min

A-A+

Futuro incerto assombra negócios e empregos mesmo com socorro

A aprovação do texto-base da Medida Provisória 944/20, que cria linha de crédito para pequenas e médias empresas pagarem os salários..

A aprovação do texto-base da Medida Provisória 944/20, que cria linha de crédito para pequenas e médias empresas pagarem os salários de funcionários durante a crise do coronavírus, pode ser uma alternativa interessante para salvar negócios e empregos, mas a crise vai mais além. Sem saber no que vai dar tudo isso, a população está temerosa e o consumo caiu drasticamente. O governo esperava que o Auxilio Emergencial de R$ 600,00 pudesse dar fôlego para o giro da economia, mas os beneficiários preferiram guardar o dinheiro para tempos mais difíceis que acreditam chegar. Sem consumo a economia não move e a crise aperta.

A população está sufocada com o desemprego e com os salários e jornadas diminuídas. Os empresários estão sufocados com encargos, tributos, folha de pagamento, fornecedores e despesas operacionais. A corda vem apertando de todos os lados e a politização da pandemia agravou o problema de saúde e a crise financeira.

Apesar da MP ser uma oportunidade para o empresariado ganhar mais tempo com seus negócios, o certo é que um dia a conta vai chegar. Esse é o temor que vem tirando o sono de muita gente. Quanto mais tardia as soluções, mais o problema cresce e a incerteza aumenta. As empresas não sabem qual será o tamanho de seus negócios após a pandemia. Os hábitos de consumo estão mudando e muitos negócios se tornarão obsoletos.

O Programa Emergencial de Suporte a Empregos, criado pela Medida Provisória, atuará com R$ 34 bilhões da União, através do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), que será o agente financeiro do governo. Instituições privadas também estão previstas na concessão dos empréstimos, com aporte de 15%. A taxa de juros de 3,75% ao ano, com prazo para pagar de 36 meses e carência, será um peso a mais para quem está afundado de dívidas e sem perspectivas de negócios. 


Deixe o seu comentário

sobre Solano Ferreira

Editor-Chefe do Diário da Amazônia. Comunicador Social e Marketing/ Mestre em Geografia. Atua na Gestão Estratégica e Gerenciamento de Crise.

Arquivos de colunas