Porto Velho/RO, 31 Agosto 2021 13:40:14

CarlosSperança

coluna

Publicado: 12/08/2021 às 11h23min | Atualizado 12/08/2021 às 11h24min

A-A+

Governador Marcos Rocha exibe musculatura reforçada na sua base de apoio no parlamento

O caminho diplomático Como já é rotina, os olhos do mundo estiveram voltados ao Brasil – especificamente à Amazônia – por ocasião..

O caminho diplomático

Como já é rotina, os olhos do mundo estiveram voltados ao Brasil – especificamente à Amazônia – por ocasião da vinda de Jake Sullivan, assessor de Segurança Nacional dos EUA. Além de tratar de assuntos da área militar, Sullivan pressionou contra a chinesa Huawei no caso 5G, exigiu mudanças ambientais e apoiou a urna eletrônica. Os recados do presidente Joe Biden, portanto, foram entregues num pacote.

Os EUA, como sempre, não escondem que consideram o Brasil como seu quintal: chegam, dão ordens e cobram o cumprimento de diretrizes. Menos invasivo e mais diplomático, o enviado especial para o Clima do governo dos Estados Unidos, John Kerry, fez uma declaração importante em videoconferência com os governadores amazônicos.

Ao contrário das exigências de Sullivan, Kerry tocou música nos ouvidos brasileiros ao se dizer “convencido que há um caminho que possamos trilhar e garantir um bom nível de vida na região Amazônica, e em todo o Brasil”.

O caminho é a bioeconomia e os EUA podem ajudar a efetivá-la sem truculência, em benefício das duas nações e do mundo. Pode-se começar a caminhada pelo projeto “Bioeconomia Pé no Chão”, que o Pará desenvolve em parceria com a Universidade de Nova York. Pés no chão e cabeça no lugar é tudo que o Brasil mais precisa para sair da difícil situação em que se encontra.

……………………………………………………………………..

Eleições 2022

Como se sabe, conforme o calendário eleitoral, o último prazo para filiações daqueles que pretendem disputar cargos eletivos na eleição de 2022 é 7 de abril. O primeiro turno do pleito acontecerá em 2 de outubro e o segundo turno em 30 de outubro. Mas até lá teremos o mecanismo criado para que deputados estaduais e federais trocar de partido sem a punição da perda de seus mandatos, que se conhece como janela partidária, que será aberta em março. Nos bastidores se sabe que as mudanças de legendas vão ocorrer para tornar os parlamentares mais competitivos para o pleito.

Posição definida

Depois da decisão do PSD em mudar de mala e cuia para a oposição ao presidente Jair Bolsonaro, agora o MDB decidiu depois de um encontro da cúpula nacional a entregar os cargos que dispunha na esfera federal. Para os emedebistas deixar de mamar nas tetas do governo é uma decisão muito dolorida já que nas últimas décadas sempre esteve aliado aos sucessivos presidentes. Mas interesses contrariados na derrota do deputado Baleia Rossi a presidência da Câmara dos Deputados, preterido por Bolsonaro, magoou o ex-presidente Michel Temer que aprovou a decisão do partido em de deixar a base aliada do governo federal.

Base segura

Se na esfera federal o presidente Jair Bolsonaro vem sangrando no Congresso Nacional, perdendo apoio de legendas expressivas, na esfera estadual o governador Marcos Rocha exibe musculatura reforçada na sua base de apoio na Assembleia Legislativa. Por aqui tudo e aprovado toque de caixa e a grande maioria dos parlamentares não é de fiscalizar muito as ações do Poder Executivo. Como avestruzes, enterram a cabeça na terra e deixam a coisa rolar. Nas casas de leis de Porto Velho e no Legislativo estadual, passa boi, passa a boiada e a coisa não é de hoje.  Mas a punição pelas omissões virá no pleito de 2022.

Terras caídas

Apesar de causar grandes estragos nas cidades e localidades ribeirinhas na Amazônia, o fenômeno das Terras Caídas não tem sido combatido pelos governos dos estados mais atingidos, que são o Amazonas,  Pará e Rondônia. No Amazonas, os municípios de Parintins e Boca do Acre são as comunidades mais afetadas pelos desbarrancamentos dos rios no verão amazônico. Em Rondônia, a própria capital rondoniense, mais os distritos do Baixo Madeira, São Carlos, Calama e Nazaré, todos arrasados na cheia histórica de 2014 e ainda tentando se recuperar de toda desgraceira.

Lenda explicava

Antes dos estudos científicos que identificaram o fenômeno das terras caídas na região amazônica, uma lenda – a das cobras grandes – dando conta de batalhas envolvendo serpentes gigantescas as margens de Calama e de outras localidades explicavam as grandes erosões com o Rio Madeira avançando nas terras dos distritos. Jornais de Porto Velho há décadas atrás publicaram depoimentos a respeito. Até hoje os antigos moradores ribeirinhos falam destes confrontos entre grandes sucuris sacudindo cabeça para baixo as regiões de Calama e São Carlos.

Via Direta

*** Os deputados estaduais de Ji-Paraná Jonhy Paixão (PSL) e Laerte Gomes  vão    enfrentar predadores emergentes nos seus projetos de reeleição*** Ocorre que Juliam Cuadal (PDT), João Durval (PP) e o vereador mais votado da cidade Nim Barroso já estão no trecho e com boas chances de chegar lá diante do desgaste dos atuais parlamentares na Assembleia Legislativa *** A diretoria da Câmara de Diretores Lojistas de Porto Velho prevê bons resultados para o comercio lojista neste final do ano depois do sucesso das promoções realizadas no Dia dos Pais na capital***  Para as eleições presidenciais do ano que vem o MDB e o PSL estão se entendendo para lançar  chapa para enfrentar o presidente Jair Bolsonaro e construir uma terceira via competitiva.


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas