Porto Velho/RO, 11 Dezembro 2019 22:50:04

    CarlosSperança

    coluna

    Publicado: 04/11/2019 às 08h39min | Atualizado 04/11/2019 às 09h17min

    A-A+

    Guajará-Mirim busca uma saída para a renitente crise econômica

    O “sêmen” da árvore Quanto vale um centavo amazônico? Na anedota infantil, para Deus um centavo tem o valor de um bilhão e um..

    O “sêmen” da árvore

    Quanto vale um centavo amazônico? Na anedota infantil, para Deus um centavo tem o valor de um bilhão e um segundo pode durar mil anos. A quem lhe pede um centavo, responde para esperar um segundo. No caso da Amazônia, com a desnecessária pendenga sobre o descuido com a região, que danificou seriamente a imagem do país no mundo, pode-se dizer que o Brasil desperdiça preciosos segundos humanos sem aproveitar os muitos centavos divinos já garantidos.

    A ONU supõe que 300 centavos divinos – ou humanos US$ 300 bilhões – serão suficientes para brecar o aumento das emissões de gases causadores do efeito estufa, ganhando tempo – bem menos que um segundo divino – para resolver de vez o problema do aquecimento global. Segundo os técnicos climáticos da organização, é a verba de dois meses de gastos militares do mundo.

    Sem soluções, os “centavos” se multiplicam. A morte de grandes animais na floresta joga fora ao redor de US$ 5 trilhões em valor de carbono. Em outras palavras, esses animais, vivos, prestam um serviço que tende a chegar ao valor estupendo de US$ 13 trilhões sem arrastar uma só carroça ou se deixar processar em frigorífico, apenas existindo, comendo frutos e defecando mais adiante suas sementes – que em outra palavra o presidente Jair Bolsonaro diria que são o “sêmen” da árvore.

    …………………………………………………….. 

    Como fazer?

    O “manual” para prefeito de Porto Velho escapa do pior mês de desgaste – que é janeiro – com o inverno amazônico chegando ao apice da estação das chuvas transformando a cidade num imenso igapó e tomada pelas alagações atingindo proporções alarmantes, é entrar em licença e passar o cargo para o vice no período. No entanto, não se sabe se o prefeito Hildon Chaves fará isto em vista da falta de relações harmoniosas com seu vice Edgar do Boi.

    Tarifa desgastante

    Outra coisa que desgasta prefeito até o fígado numa campanha de reeleição é o reajuste da tarifa de transportes coletivos. Alguns prefeitos (amigos da onça, né?) no passado delegavam esta tarefa para os vices. Numa delas, o prefeito Roberto Sobrinho, o sagaz petista, passou a missão ao seu então vice Emerson Castro (MDB), que foi o escalado da vez no episódio. O petista posou de bonzinho.

    Pisão tático!

    Nos bastidores se comenta que o ex-prefeito Tomás Correia e o ex-chefe da Casa Civil do governo Confucio Moura, Emerson Castro já estão se cumprimentando, depois da confusão protagonizada na convenção estadual do MDB no ano passado, que já completou um ano. Como se sabe, Castro deu um pisão tático em Tomás recebendo uma bofetada em troca, abrindo um tumulto para anulação da convenção que foi negociada deixando então Confucio disputar o Senado. 

    Largando bem

    Vamos ver como se comportam os candidatos favoritos para as eleições municipais do ano que vem, alguns já com boa largada. São os casos de Leo Moraes (Podemos) em Porto Velho, de Tziu Jidaias (Solidariedade) em Ariquemes, o emededebista Juninho Gonçalves (na minha opinião o melhor prefeito de Rondônia atualmente) em Jaru, a prefeita Glaucioni Nery em Cacoal, entre outros nomes vitaminados. Na capital os favoritos sempre levam pau, numa verdadeira maldição.

    Uma saída

    Guajará Mirim, na fronteira com a Bolivia busca uma saída para a renitente crise econômica que afeta o comércio local há mais de duas décadas. A construção da ponte binacional tão anunciada pelos políticos, que seria uma redenção para a região acabou não saindo e sucessivos governos estaduais não tem dada a merecida atenção para a antiga Pérola do Mamoré. Agora se propala uma estância turistica para alavancar o município.

    ………………………………………….

    Via Direta

    *** Já refeitos dos resultados nas urnas no ano passado, o ex-senador Valdir Raupp e a ex-deputada federal Marinha Raupp lutam pelo seu quinhão no MDB, leia-se rachachá do fundo partidário*** As relações deles com o Diretório Nacional do MDB, apesar das derrotas em 2018 ainda são relativamente boas*** O ex-deputado estaual Herminio Coelho, pré-candidato do PV a prefeitura de Porto Velho está abrindo as tratativas para formação de chapas a vereança*** Mas se vier convite para ser vice de um candidato de ponta, todo mundo acredita que ele aceita*** O prefeito Hildon Chaves (PSDB) larga na frente nos distritos de Porto Velho na peleja pela reeleição*** As ações em torno da regularização fundiária urbana funciona bem em pleitos eleitorais alavancando a situação dos alcaides*** Sobrinho foi bem no quesito, se reelegeu, Nazif foi mal neste fundamento (a regularização fundiaria) e se lascou*** Lembrando também que a regularização fundiária urbana ajudou também o projeto de reeleição do então governador Confúcio Moura.


    Deixe o seu comentário

    sobre Carlos Sperança

    Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

    Arquivos de colunas