porto velho - ro, 12 Setembro 2019 21:20:08
    Polícia

    Homem confessa que matou enteada após estuprar a menina

    Em depoimento à polícia, o homem confessou que matou Sara Manuela enforcada e que tinha oferecido R$ 5 para ela não falar nada.

    Por iBahia
    A-A+

    Publicado: 23/07/2019 às 15h50min | Atualizado 23/07/2019 às 15h52min

    Na última segunda-feira (22), um homem confessou a Polícia Civil que estuprou e matou a enteada de nove anos, em Londrina, no norte do Paraná.”Eu estuprei ela e dei dinheiro para ela não falar, sabe? Só que aí, depois, ela falou que ia falar com a mãe, entendeu?! [inaudível] Aí eu fui e fiz essa loucura de matar”, disse Sandro J. M, de 25 anos.

    De acordo com informações do G1 Norte e Noroeste, o corpo da criança,  foi encontrado no fundo de um vale, no dia 21 de julho. O padastro havia registrado um Boletim de Ocorrência (B.O) com a alegação de que a menina tinha desaparecido enquanto ele tomava banho.

    A Polícia Militar (PM) contou ao G1 PR que o corpo da criança foi encontrado com marcas no pescoço, indícios de abuso sexual e uma nota de R$ 5 nas mãos. No momento que a polícia chegou para prender Sandro, alguns moradores estavam tentando agredi-lo.

    Em depoimento à polícia, o homem confessou que matou Sara Manuela enforcada, usando as mãos. Sandro Machado também revelou que tinha oferecido R$ 5 para que a menina não contasse que havia sido estuprada.

    “Ela tinha saído com esse dinheiro de dentro de casa. Entendeu? Aí, chegou lá, eu fui e dei mais cinco reais para ela. Só que aí ela não quis. Que ela já estava com o outro cinco na mão. Para ela não falar, sabe?! Só que ela falou que ia falar com a mãe, sim. Eu fiquei com medo das consequências, aí já em excesso de drogas, aí fiz a loucura de fazer aquilo”, explicou o padrasto.

    Durante o depoimento, Sandro disse que se arrependeu do crime. “Eu sou um cara trabalhador, eu nunca fiz isso, assim, com ninguém, entendeu?! Eu peguei ela para criar desde novinha. Eu estou muito arrependido do que eu fiz de minha vida. Eu basicamente, destruí minha vida”.

    Em contato com o G1 PR, o delegado-chefe Osmir Ferreira Neves explicou que o homem deve ser indiciado por estupro de vulnerável e feminicídio



    Escreva um comentário