Porto Velho/RO, 15 Dezembro 2020 09:23:51

CarlosSperança

coluna

Publicado: 15/12/2020 às 09h23min

A-A+

Indícios de que a peleja para o governo do Estado terá Hildon, Rogério, Mosquini e o Marcos Rocha

Jogos de guerra Há pouco, o embaixador da União Europeia no Brasil, Ignácio Ybañez, disse que aguarda uma “declaração política”..

Jogos de guerra

Há pouco, o embaixador da União Europeia no Brasil, Ignácio Ybañez, disse que aguarda uma “declaração política” de combate ao desmatamento pelo governo Bolsonaro para retomar as negociações com o Mercosul. Não lhe cabe se intrometer na política interna brasileira, até porque ele mesmo reconhece que o Brasil já deu garantias de que vai proteger o meio ambiente.

Se não proteger, declaração alguma fará diferença, pois a regra geral é não cumprir promessas nem ser punido por isso, a não ser a cada dois ou quatro anos, nas urnas, depois do estrago feito.

Desde a humilhante espionagem exercida pelos EUA sobre o Brasil, que o então vice-presidente Joe Biden considerou justa, o governo não é capaz de refrear os abusos de estrangeiros que se metem a fazer estripulias em solo brasileiro, pisoteando a Carta Magna, que no espírito mais elevado das leis mundiais impõe solução pacífica e não-intervenção em assuntos de outras nações.

Antes de Ybañez, o Ministério das Relações Exteriores permitiu a lambança do secretário de Estado trumpeano Mike Pompeo, que em território brasileiro disse cobras e lagartos sobre a Venezuela, sem respeitar a Constituição do Brasil. Aves de rapina adorariam transformar a Amazônia em zona de guerra para servir de brinquedinho às superpotências, mas o Brasil tem leis que não autorizam tais aventuras sangrentas. Já o Acordo do Mercosul é assunto para negociação, não para ultimatos.

……………………………………………………

Orçamento 2021

Mesmo com um orçamento estimado em R$ 1,595 bilhão para 2021, o município de Porto Velho vai ter que se virar para atender as necessidades locais existentes, como as demandas de saúde, educação, transporte escolar, infraestrutura urbana, estradas rurais. É quase o mesmo orçamento de 2020, mas as carências só têm aumentado com a criação de novos bairros periféricos, sobretudo com as invasões as margens da BR 319, depois da ponte do Rio Madeira. E o novo plano diretor precisa ordenar o plano de expansão.

Os novatos

Como se sabe, Porto Velho vai ganhar dois novos representantes na Assembleia Legislativa em 2021, que são o atual vereador Alan Queiroz (PSDB) e o ex-deputado estadual Ribamar Araújo (PR). Queiroz vai substituir o deputado Fúria (Cacoal) e Ribamar Aélcio da TV (Porto Velho). E devem iniciar o mandato já pensando numa dura peleja a reeleição com mais oito parlamentares da capital e meia dúzia de vereadores de asas crescidas depois das eleições municipais. A parada vai ser dura. 

Boa estreia

A Novalar, loja de eletrodomésticos com forte atuação no interior do estado de Rondônia, com sede em Ariquemes estreou bem em Porto Velho, com a inauguração da sua primeira unidade na capital, sem medo de ser feliz. Instalou uma grande loja, ao lado da Gazin pela Av.  Pedro II e defronte a Bemol, pela Av. Marechal Deodoro. É um grupo genuinamente rondoniense, enfrentando cadeias de lojas importantes de Manaus e de rede nacionais como a Gazin, do Paraná.

Embalando o pé

Os indícios dando conta de que o prefeito tucano Hildon Chaves de Porto Velho entra na peleja pelo Palácio Rio Madeira em 2022 são cada vez maiores. Tomou gosto pela política e está embalando o pé para o confronto contra o atual governador Marcos Rocha (ainda sem partido) e Marcos Rogério (Democratas-Ji-Paraná) e Lucio Mosquini (MDB-Ouro Preto do Oeste). Chaves trabalha forte em pleno inverno amazônico, prepara uma nova gestão suprapartidária e está colocando seu bloco na rua desde já.

Santo Remédio 

Os empresários amazonenses estão chegando com força em Porto Velho. A cadeia de farmácias Santo Remédio, com sede em Manaus, depois de inaugurar duas unidades agora prepara sua maior loja na Avenida Jorge Teixeira com Abunã (antiga Farmabem), enfrentando a concorrência de duas grandes redes instaladas na sua vizinhança, uma delas ao lado. Como se vê, não tem medo de concorrência e cara feia e desembarca já ganhando um naco do mercado na capital rondoniense.

Via Direta

*** Com embaraços na justiça, a construção da Usina hidrelétrica de Tabajara, em Machadinho do Oeste deve atrasar mais uma vez. Acreditava-se que o início das obras seria ainda em 2012*** Com a pandemia atrapalhando, a justiça federal embargou até as audiências públicas virtuais sobre a obra*** O coronavirus  também acabou provocando o adiamento do encontro dos prefeitos rondonienses programado pela AROM-Associação Rondoniense de Municípios*** Os trabalhos nas casas legislativas vão encerrando e o noticiário político, por conseguinte, ficando mais mixuruca*** Tudo mundo já pensando nas festividades natalinas e ano novo, mesmo com as restrições sanitárias impostas pelas autoridades da saúde.


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas