porto velho - ro, 22 Setembro 2019 02:37:36
    Diário da Amazônia

    Madeira na Cena apresenta cantor e compositor Bado

    O cantor, compositor e instrumentista Bado, participa na próxima sexta-feira 14, do programa de televisão “Madeira na Cena”..

    Por Silvio Santos
    A-A+

    Publicado: 12/06/2019 às 16h17min

    O cantor, compositor e instrumentista Bado, participa na próxima sexta-feira 14, do programa de televisão “Madeira na Cena” que vai ao ar às 22 horas no canal 17, emissora Rede TV.

    De acordo com o coordenador do programa de TV, Dênis Carvalho, o projeto visa divulgar e promover os artistas rondonienses produtores de música autoral de todos os ritmos. Nessa primeira temporada o programa traz duplas sertanejas, bandas de rock e pop, além da característica mistura musical rondoniense.

    Nesta edição, o cantor e compositor Bado conta com a participação especial da cantora Isabela Lima, na interpretação da canção “Ciranda de Quintal”, assim como, com a participação da cantora Luana Shockness, na música “Ocaso”. Bado interpreta ainda a canção “Zoom da Procura” e “Mundos” que tem como parceiro de composição o músico Baaribu Nonato.

    Para o compositor o programa “Madeira na Cena” é uma oportunidade que o artista tem para apresentar sua obra. “O produtor Dênis Carvalho esta de parabéns pela iniciativa, pois Rondônia é rico em todos os segmentos culturais e precisa apresentar isso ao público”, disse Bado.

    A segunda edição do programa “Madeira na Cena” será veiculado na próxima sexta-feira 14, às 22 horas na Rede TV, e também programado para o domingo 16, na TV Cultura, no canal 25, no mesmo horário. É a sua oportunidade de curtir o cantor e compositor Bado por duas vezes. Participe!

    Histórico

    Bado, músico, instrumentista e compositor, artista portovelhense, nascido em 1964, revela-se com traços peculiares à sua história e trajetória musical, numa mistura de musicalidade amazônica, com sons e ritmos regionais e universais. Sua obra musical se expande com participações artísticas e experiências de criação musical produzidas por encomendas para o teatro, cinema, shows e documentários. Com participação cultural desde os anos 80, a exemplo do Projeto “Grito de Cantadores” e outros, na década de 90, seu universo musical se projeta na difusão da música local com experiências em vários projetos de âmbito nacional, levando a música amazônica, para festivais e mostras musicais fora do estado, como: FEMUCIC (Maringá, PR); Teatro Francisco Nunes (Belo Horizonte-MG); Teatro Amazonas (Manaus/AM) e Espaço SEBRAE –Brasília/DF; Projeto “Rio Brasil”, Sala Cecília Meireles e Museu da Imagem do Som(Rio de Janeiro), resultando na gravação do disco Porto das Esperanças.

    Em 1995, Bado participa da gravação coletiva do disco “Amazônia em Canto”. Em 2000/2001 foi selecionado pelo Projeto “RUMOS” Itatú Cultural e passa a integrar a Cartografia Musical Brasileira. No ano seguinte, se apresenta em Belém(PA) no Quinta Cultural do Banco da Amazônia e no Rio de Janeiro pelo Projeto “Cantorias Amazônica”. Em 2005, grava seu primeiro disco solo intitulado “Aldeia de Sons” e participa pela FUNARTE do projeto “Pixinguinha” em 8 (oito) cidades do sul e sudeste do Brasil. Bado, participa ainda do Show “Gente da mesma Floresta”, realizado em São Paulo em abril de 2006, com gravação ao vivo em DVD. Em 2010 Bado é convidado pelo Festcine Amazônia (FESTCine), para participar da mostra Itinerante de Artes Integradas com Cinema, Circo e Música na América Latina, envolvendo Brasil, Peru e Bolívia, com apresentações em mais de dez cidades e participa do DVD Horizonte de Fronteiras, um documentário sobre cultura e religiosidade nos países de fronteiras Amazônica. Em 2014, Bado apresentou o Show “No Quintal” em 10 Estados da região Norte, no Projeto Sesc Amazônia das Artes (SESC-RO). Em 2016, numa releitura musical, Bado apresenta o Show no quintal com o lançamento do DVD Mundos 50 anos: Bado e Amigos com patrocínio cultural do Banco da Amazônia. Atualmente, continua difundindo seu trabalho, buscando consolidar na diversidade cultural da região uma identidade musical amazônica, com vetor interativo e universalizante de todas as raças, sons e tons.



    Escreva um comentário