porto velho - ro, 12 Setembro 2019 20:43:48
    Política

    Manuela D’Ávila prestará depoimento sobre ação de hacker

    Manuela está à disposição das autoridades para "prestar todos os esclarecimentos que dela forem solicitados"

    Por NOTÍCIAS AO MINUTO
    A-A+

    Publicado: 29/07/2019 às 10h47min

    Após retornar ao Brasil, a ex-deputada federal Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) deve prestar depoimento sobre a Operação Spoofing, informou sua defesa neste domingo, 28. A candidata à vice na chapa de Fernando Haddad (PT) na disputa presidencial do ano passado deve voltar de viagem em até 15 dias.

    Segundo o advogado Alberto Toron, ela saiu do País no dia 23 de junho para fazer um curso na Universidade de Edimburgo, no Reino Unido. Toron afirmou que colocará Manuela à disposição das autoridades para “prestar todos os esclarecimentos que dela forem solicitados”. “Assim que ela chegar no Brasil, ela prestará depoimento na data em que a autoridade determinar”, disse.

    Na semana passada, Walter Delgatti Neto, conhecido como “Vermelho”, disse em depoimento à Polícia Federal que fez contato com o jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil, por meio de Manuela. Delgatti Neto foi um dos presos na Operação Spoofing, suspeito de ter hackeado telefones de autoridades.

    Em nota, Manuela disse que, em maio, seu aplicativo Telegram foi invadido e confirmou que repassou ao “invasor” do seu celular o contato de Greenwald. Desde o início de junho, o site The Intercept Brasil, cofundado pelo jornalista americano, tem divulgado trocas de mensagens entre o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e procuradores da força tarefa da Operação Lava Jato.

    A defesa de Manuela afirma que a ex-deputada não tomou parte na ação do suposto hacker. “Ela não teve envolvimento nenhum com apoio financeiro (a Delgatti Neto) ou coisa parecida. Manuela não tem preocupação alguma, apenas preocupação em dizer a verdade”, afirmou Toron. “Ela simplesmente indicou o jornalista Glenn e se retirou do cenário”.

    O líder do PCdoB na Câmara, o deputado federal Orlando Silva (SP), disse que o partido está “absolutamente solidário a Manuela”. O parlamentar ressaltou que, desde a sexta-feira, todos os líderes da legenda manifestaram seu apoio por meio das redes sociais. “Manu fez o que qualquer pessoa séria faria. Infelizmente, a razão perdeu espaço no Brasil”, disse.

    Silva afirmou ainda que espera que a invasão ao celular de Manuela seja explicada. O líder do PCdoB também cobrou que Sérgio Moro e o procurador da República Deltan Dallagnol ofereçam seus celulares para perícia.

    Silva afirmou também que já há um requerimento pronto para convocar Moro a prestar esclarecimentos aos parlamentares sobre a Operação Spoofing. Na quinta-feira, 25, o ministro da Justiça avisou a autoridades que tiveram celulares hackeados que o material obtido de maneira ilegal seria destruído.

    Para o parlamentar, a atitude do ministro seria uma “ilegalidade flagrante” e configuraria desrespeito ao artigo 325 do Código Penal, que versa sobre quebra de sigilo funcional. “Como (Moro) teve acesso a inquérito sigiloso? Esse é o domínio do Judiciário e da Polícia Federal”, disse Silva. “Pior, se teve acesso enquanto autoridade e servidor público, não poderia quebrar o sigilo. Queremos ouvi-lo”.

    Segundo o líder do PCdoB, o partido vai conversar com lideranças partidárias para decidir se a convocação de Moro será para uma audiência no Plenário ou na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). “Vamos trabalhar para ser uma convocação com apoio de todos os partidos”, afirmou. “Não é assunto da esquerda, nem da oposição. Queremos o respeito à Constituição e as leis”.

    A reportagem apurou na última quinta-feira que o presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio Noronha, e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, receberam contatos de Moro sobre a operação da PF.

    Neste sábado, 27, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a decisão sobre uma possível destruição de mensagens não cabe a Moro. “O Moro não fará nada que a lei não o permita fazer. Agora, foi uma invasão criminosa”, disse.



    Escreva um comentário