Porto Velho/RO, 01 Setembro 2021 08:46:18

SolanoFerreira

coluna

Publicado: 01/09/2021 às 08h46min

A-A+

Mortes fúteis não indica problema de segurança pública

Os dados apresentados pelo Atlas da Violência 2021, elaborado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, e publicado na última..

Os dados apresentados pelo Atlas da Violência 2021, elaborado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, e publicado na última terça-feira (31/08), indicando aumento no número de Mortes Violentas por Causa Indeterminada (MVCI) não pode ser visto como problema de segurança pública. De acordo com os especialistas em segurança pública, esse tipo de violência é motivado por razões fúteis como o impulso emocional. Inclui-se as mortes por vingança, desavenças, passionais, rixa, embriaguez, entre outros. 

O quadro de banalização da violência no país é extremamente preocupante. Basta analisar outros dados mostrados no mesmo levantamento que indica a elevação da violência contra a mulher, principalmente contra as negras. O racismo, o machismo e outros preconceitos enraizados na cultura brasileira são fatores que não param de crescer e puxam o aumento da violência.

Os números do MVCI mostram que no Brasil a violência fútil ou por impulso cresceu nos últimos dois anos, tendo salto de 12.310 para 16.648. Nesse período, os estados com relevantes crescimentos de casos foram observados no Rio de Janeiro (232%), no Acre (185%) e em Rondônia (178%). 

Esses dados serão úteis para os órgãos que atuam na segurança pública e no campo da justiça, porém, devem ser observados principalmente pelos órgãos e instituições que atuam nas causas sociais. Os índices indicam a falta de políticas públicas que possam garantir melhor fortalecimento de vínculo, maior respeito ao próximo, controle dos limites humanos e emocionais e muitas outras percepções nas áreas humanas e sociais. Os indicadores mostram uma realidade social vivida ao nosso redor que não pode ser ignorada e muito menos esquecida. 


Deixe o seu comentário

sobre Solano Ferreira

Editor-Chefe do Diário da Amazônia. Comunicador Social e Marketing/ Mestre em Geografia. Atua na Gestão Estratégica e Gerenciamento de Crise.

Arquivos de colunas