Porto Velho/RO, 04 Novembro 2020 16:46:01

José Luiz

coluna

Publicado: 04/10/2020 às 06h00min

A- A+

Município de Porto Velho também produz soja

No último final de semana no distrito de Jacy-Paraná distante da capital (PVH), 120 quilômetros as margens da BR 364, na fazenda do..

No último final de semana no distrito de Jacy-Paraná distante da capital (PVH), 120 quilômetros as margens da BR 364, na fazenda do grupo Zamo, com a presença do Secretário de Agricultura, Evandro Padovani teve inicio o plantio de 5.200 hectares de lavouras de soja. A projeção de Alysson Zamo, administrador da propriedade é de uma colheita acima de 60 sacas de 60 quilos do produto por hectare cultivada próximo a média nacional, levando-se em consideração e fertilidade do solo, as precipitações pluviométricas, assim como o plantio direto para não degradar a área plantada, usando equipamentos de última geração. 

Saí à soja e vem o arroz 

Segundo Alysson Zamo na medida em que a colheita da soja avance em janeiro, na sequência virá o plantio de 3.200 hectares de arroz aproveitando os insumos deixados pela soja assim a como a cobertura do solo para manter a umidade na terra sem afetar o meio-ambiente, o secretário Evandro Padovani, bem como outros lavoureiros da região presentes ao evento elogiaram e iniciativa. Não há pelo menos que se conheça oficialmente a quantidade de hectares de soja que estão sendo cultivadas ao longo da BR 364 em direção Acre. Produtores rurais da região acreditam em mais de 25 mil hectares, tornando no futuro próximo o município de Porto Velho em novo celeiro agrícola. 

Rumo ao exterior 

De janeiro agosto fora exportados pelo estuário do rio Madeira 24.142,679 toneladas de carne representando 36%, entesourando US$ 111.659,263. Soja, 29.777,822 toneladas, apontando para 44% dos produtos exportados pelo estado de Rondônia, totalizando em dólares 10.071,466. Ao participar do programa “Campo e Lavoura” na Rede TV! O 

 superintendente da Federação das Indústrias de Rondônia (FIERO) Gilberto Batista, considerou que se computado todos os produtos gerados e exportados pelo estado de Rondônia, em 2020, a conta deve fechar positiva entre US$ 10 e 15 bilhões. 

Agronegócio 

Além das políticas públicas postas em prática pelo governador, Marcos Rocha, é bom lembrar que essa dinheirama toda obtida com as exportações para China e Ásia, boa parte delas vem do agronegócio, que somados a produção de Rondônia recebe um impulso significativo da soja, milho e algodão produzidos no noroeste de Mato Grosso que também passam pelos portos aqui na capital, gerando de uma maneira ou de outra recursos e empregos. Por isso o impacto da pandemia no setor produtivo primário foi menor.  

Os pequenos 

Do inicio da pandemia até o final de setembro, o Banco do Povo liberou 1.151 projetos financiando pequenos e micros-empreendedores rurais e urbanos gerando mais de 6 mil empregos familiares, aplicando recursos da ordem de R$ 5 milhões. Segundo Manoel Serra presidente da instituição o apoio do governo do estado tem sido importante para atender os pequenos empreendedores que não tem condições de recorrer aos bancos oficiais, pelas exigências e burocracia. De acordo com Manoel Serra a inadimplência é praticamente zero.    

Dispensando o churrasco…! 

Se depender do valor do quilo da carne bovina, o churrasco de final de ano de muitos rondonienses será dispensado. Nas grandes redes de supermercados o quilo do contra-file está cotado em R$ 35,76, costela maturada R$ 29,30, fraldinha R$ 27,89, costela sem osso R$ 24,97, costela em ripa R$ 15,63, costela mindinha R$ 17,19, file-mignon R$ 48,19, a picanha conforme o corte variando entre R$ 61,75 e 76,99. Nos açougues e casas do ramo que revendem o produto estes valores estão acima entre 7% e 10% 

Não é só isso…!

O quilo da carne de suíno R$ 19,27, frango regional R$ 6,85, tambaqui, variando de acordo com o corte entre R$ 11,98 e 22,90, pirarucu R$ 17,69, pintado R$ 26,90. Se nada mudar para melhor, jeito é partir para o velho peru de guerra nas festas Natalinas.

Vale à pena conhecer 

De Jacy-Paraná até a divisa com o Acre, ao longo da BR vale 364 vale a pena conhecer o novo celeiro agrícola que se projeta naturalmente com abertura de lavouras de soja, milho, arroz além da criação de bovinos pelo sistema de confinamento. A cada dia a paisagem se transforma. 

Finalizando 

Fiz a minha parte, acredito no agronegócio e sei que dele virá a solução para os problemas que deixam aflita boa parte de sociedade. Enquanto o campo produzir existirá menos miséria e fome. Boa leitura. Não esqueça máscara. 

 

    


Deixe o seu comentário

sobre José Luiz Alves

Colaborador do Diário da Amazônia - José Luiz Alves, é jornalista. Apresenta aos sábados das 6h às 8h na Rede Tv Rondônia! o programa Campo e Lavoura, com informações ao homem do campo e produtores rurais, em cadeia com seis emissoras de rádios para todo o Estado de Rondônia.

Arquivos de colunas