porto velho - ro, 12 Junho 2019 00:02:32

Carlos Sperança

coluna

Publicado: 21/05/2019 às 08h48min

A- A+

Não é exagero dizer que a Amazônia está sob ataque

Amazônia sob ataque Depois da aguerrida campanha movida no Sudeste contra a Zona Franca de Manaus não é exagero dizer que a Amazônia..

Amazônia sob ataque

Depois da aguerrida campanha movida no Sudeste contra a Zona Franca de Manaus não é exagero dizer que a Amazônia está sob ataque. Difícil não entender também como parte da ofensiva a derrota da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) pelo domínio “ponto amazon” na internet para a poderosa varejista estadunidense Amazon, imposta pela Icann, organização que designa endereços e números na rede.

A Amazônia não deixa ninguém indiferente. No calo, no cotovelo ou na consciência, o peso do substantivo “Amazônia” na agenda global é impactante, seja para os caricatos, mas assustadores ecoterroristas, interesses ilegais em madeira e minérios, os ambientalistas profissionais, em afirmar sua soberania na região e cidadãos preocupados com a destruição causada pelos rigores climáticos.

A má imagem do Brasil no mundo abriu um flanco largo para ataques, sobretudo depois que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, mexeu com o vespeiro do Fundo Amazônia, irritando autoridades europeias, cujas doações robustecem o FA. Complicador a mais, a chefe do departamento de meio ambiente e responsável pelo fundo no BNDES, Daniela Baccas, foi afastada do cargo.

……………………………………..

As queixas

Prefeitos tem se queixado do Fundo de Participação dos Municípios-FPM, cuja fatia de leão no estado é destinada a P. Velho. Como os percentuais são rateados de acordo com a população dos municípios, com o Censo 2020 muitas dúvidas serão sanadas. Lembrando que a população da capital é superior a das cinco principais cidades do interior juntas, casos de Jipa, Ariquemes, Vilhena, Cacoal e Jaru

O crescimento

De antemão é possivel projetar que alguns municípios deverão aumentar a participação no rateio do FPM. São os casos de Buritis e Machadinho, no Vale do Jamari e Nova Mamoré, no Vale do Guaporé, cujas regiões receberam levas de migrantes na última década, como novas fronteiras agricolas, enquanto cidades da Zona da Mata, Cone Sul e Central perderam contingentes.

Nome aos bois

Num jogo de cena medonho, o senador Omar Azis (PSD-AM) exige do presidente Jair Bolsonaro que detalhe os políticos e partidos envolvidos no esquema “toma lá, da cá”. Ora, o próprio partido de Azis há muito tempo, desde os idos de Dilma e Temer se comporta desta maneira. E quanto à relação dos parlamentares que pedem propinas é mais fácil relatar os que não estão pedindo. São raros.

Lula Livre

Os petistas de Porto Velho já estão entusiasmados com a “Caravana Lula Livre” inciada pelo presidenciavel Fernando Haddad, que começa a percorrer a partir desta quinta-feira o Norte do país. Inicialmente estão projetadas visitações para animar a militância em Manaus, Santarém e Belém. Em Porto Velho e Rio Branco, onde Hadadd levou pau, ainda não tem datas definidas.

Aquelas fitas…

E o caso das gravações propineiras? Quem teve acesso à parte dos conteudos (envolve nove políticos pilantras buscando vantagens) relata que os pedidos de negócios foram nas áreas de: 1- Saúde (compra de remédios) 2- Alimentação (produção e entrega de marmitex), 3 – lavagem de roupas para hospitais 4- fornecimento de gás 5- obras de infraestrutura (estradas) 6-Vigilância 7-Cota de cargos comissionados.

 

Via Direta

*** Ainda me reportando ao caso das gravações, teve político se apresentando como representante de terceiros *** Não é de espantar porque existe tradição por aqui até de deputado chantagear deputado por causa de obras *** Trocando de saco para mala: políticos derrotados e que perderam cargos nas eleições passadas, passaram a condição de aspones, mas voltam à luta em 2020 disputando a vereança e prefeituras *** A urbanização do Complexo Madeira Mamoré é um belo passo para a revitalização do centro histórico.


Escreva um comentário

Arquivos de colunas