Porto Velho/RO, 02 Julho 2020 05:57:42

CarlosSperança

coluna

Publicado: 02/07/2020 às 05h57min

A-A+

Não vejo vencedores e nem derrotados num possível confronto pela prefeitura de Porto Velho

Máscara eterna Os satélites mostram uma escura e grossa nuvem de poeira se deslocando da África em direção à América do Sul. Ao..

Máscara eterna

Os satélites mostram uma escura e grossa nuvem de poeira se deslocando da África em direção à América do Sul. Ao contrário do novo coronavírus, que surpreendeu a humanidade com seu ataque fulminante e rapidamente disperso, não é uma novidade: o fenômeno se repete anualmente.

A diferença é que, como o calor, que acaba de fazer a Sibéria parecer uma estação de veraneio, o poeirão proveniente do deserto africano vem mais forte e seus efeitos completos só poderão ser avaliados depois que a temporada se completar.

Por onde transitou, ela já deu sinais de que não vai passar em brancas nuvens. Como está mais intensa, o ar nas regiões em que a massa compareceu – foi sentida na Venezuela e regiões do Caribe, com a Amazônia na rota – quem já usa a máscara para se proteger da pandemia terá um uso adicional para ela.

O uso de máscaras não será mais uma alternativa provisória mas uma necessidade permanente se a pandemia se estender em novas ondas e o poeirão continuar aumentando de volume. Em geral ele fica acima das nuvens até se precipitar com a chuva e trazer nutrientes para o solo, mas em maior volume turva a visibilidade. Se a máscara tiver que ser parte obrigatória da indumentária humana, será preciso que os cientistas a tornem mais cômoda e transparente, como os óculos que outrora inundavam o rosto e hoje são quase invisíveis.

…………………………………………

Só no lucro

Não vejo vencedores e nem derrotados num possível confronto pela prefeitura de Porto Velho entre o atual prefeito Hildon Chaves (PSDB) e o deputado federal Leo Moraes (Podemos). Se Hildon Chaves perder a parada, com certeza dois anos depois conseguirá uma cadeira na Câmara Federal, que era seu grande sonho. Se Leo Moraes  ganhar o pleito vai realizar o sonho do seu pai, Paulo Moraes e se perder a peleja terá uma das reeleições mais tranquilas a Câmara Federal, pois só tem ampliado suas bases eleitorais nos últimos anos

Tem espaço

A campanha 2020 na capital deve começar realmente polarizada entre Hildon Chaves (PSDB) e Leo Moraes (Podemos) numa grande revanche de 2016. Mas pode ser considerado um espaço para  o nascimento de uma terceira via que tenha a capacidade de se beneficiar da rejeição o prefeito tucano. Também teremos aumento da rejeição de Leo Morais nesta campanha,  pois ganhando o pleito cederá sua cadeira ao clã Raupp, aquele do ex-senador Valdir enrascado com a Lava Jato.

Pau no favorito!

Levando em consideração que Leo Moraes é favorito de novo – no primeiro favoritismo levou pau do tucano – ele já começa a levar carga dos adversários. Alega-se que se Leo Moraes for eleito, Rondônia perderá seu melhor parlamentar no Congresso cedendo vaga ao Raupps, mais sujos do que poleiro. E mais: os adversários aproveitam para espalhar que são os Raupps é que vão financiar a candidatura de Moraes com recursos de propinas.

As avessas

Mas sem dúvidas quem vai levar mais cacete na disputa a prefeitura de Porto Velho, como de costume, será o prefeito de plantão. A oposição vai explorar os problemas enfrentados na saúde, na educação, na falta de eficiência no combate ao coronavirus e deve ligar o prefeito ao ex-senador Expedito Junior que tem elevada rejeição na capital e é considerado uma pata de coelho as avessas para a campanha de Hildon Chaves.

O beneficiário

Na guerra dos tops das galáxias Hildon e Leo provocando desgastes entre ambos – e eles sabem e tem grande competência para acertar as fuças dos adversários – haverá com certeza um beneficiário para despontar como uma terceira via. Mas quem seria? Mauro Nazif (PSB), Cristiane Lopes (PP), Vinicius Miguel (Cidadania), Alex Palitot (PTB), o bolsonarista Chrisóstomo, algum vermelhinho até agora desconhecido? 

…………………………………………………………….

Via Direta

*** Uma onda de arrombamentos de casas atormentou os moradores  de Porto Velho na semana passada, mesmo em plena pandemia onde a maioria das famílias deveria permanecer em casa*** No entanto, se constatou vizinhos pegando as canoas para pescaria, outras famílias se dirigindo aos balneários,  as pessoas buscando os botecos, como se tudo já estivesse normalizado*** Porto Velho depois de Manaus e Belém, pode se transformar no novo epicentro do coronavirus na região caso não melhorar os índices de distanciamento social*** Os Prefeitos rondonienses estão urrando com a queda de arrecadação. A ajuda do governo Bolsonaro veio em boa hora, inclusive para  Porto Velho*** Os recursos  emanados da União ajudam no pagamento da folha dos servidores municipais.

 


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas