Porto Velho/RO, 07 Dezembro 2019 22:10:11
    Cidades

    Nível do rio Madeira recua em Porto Velho

    O nível do rio Madeira recuou de 13m para 11,91m em Porto Velho após receber uma onda de cheia nas duas últimas semanas, de acordo com a..

    A- A+

    Publicado: 21/12/2018 às 17h00min

    O nível do rio Madeira recuou de 13m para 11,91m em Porto Velho após receber uma onda de cheia nas duas últimas semanas, de acordo com a Defesa Civil Municipal em Porto Velho. Em decorrência do aumento repentino do nível do rio a Defesa Civil antecipou o plano de contingência e já identificou os pontos de possíveis desbarrancamento e locais de risco com placas, fitas e faixa. A Defesa Civil também já retirou algumas famílias que residem em áreas de risco, às margens do Madeira. Para este mês, 11,20 metros é um índice considerado normal para essa época do ano.

    Segundo o gerente de operações da Defesa Civil Municipal, Rogério Félix, o nível do rio Madeira voltou a subir dentro dos limites esperados. “O nível do rio Madeira nesse momento deu uma estabilizada. O nível do rio chegou aos 13 metros nas últimas semanas, e agora ele recuou bastante e voltou a subir lentamente. Nós estávamos preocupados nesse período que ele começou a subir demais e muito rápido, mas agora ele recuou”, informou.

    De acordo com o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) em Rondônia, as chuvas que caem no interior do estado e na capital não influenciam diretamente a cota do rio Madeira em Porto Velho porque a maior influência são as chuvas nas bacias do rio Beni, Mamoré e Guaporé. O Sipam ainda descartou a possibilidade de uma cheia nos patamares de 2014.

    A Defesa Civil alerta e pede a compreensão da população para preservar as placas de sinalização implantadas em lugares de riscos. Segundo o coordenador da Defesa Civil Municipal de Porto Velho, Marcelo Santos, já existem casos de pessoas retirando as sinalizações dos locais de risco identificados.

    “Se nós colocamos as placas em um local vulnerável, ali existe um grau de risco. E sabemos que existem crianças que sobem e descem os barrancos para ir e voltar da escola. Já aconteceu vários acidentes e nós temos que ter cuidados redobrados nesse período”, disse Marcelo.

    Foto: Roni Carvalho – Diário da Amazônia

    O nível do rio Madeira recuou de 13m para 11,91m em Porto Velho após receber uma onda de cheia nas duas últimas semanas, de acordo com a Defesa Civil Municipal em Porto Velho. Em decorrência do aumento repentino do nível do rio a Defesa Civil antecipou o plano de contingência e já identificou os pontos de possíveis desbarrancamento e locais de risco com placas, fitas e faixa. A Defesa Civil também já retirou algumas famílias que residem em áreas de risco, às margens do Madeira. Para este mês, 11,20 metros é um índice considerado normal para essa época do ano.

    Segundo o gerente de operações da Defesa Civil Municipal, Rogério Félix, o nível do rio Madeira voltou a subir dentro dos limites esperados. “O nível do rio Madeira nesse momento deu uma estabilizada. O nível do rio chegou aos 13 metros nas últimas semanas, e agora ele recuou bastante e voltou a subir lentamente. Nós estávamos preocupados nesse período que ele começou a subir demais e muito rápido, mas agora ele recuou”, informou.

    De acordo com o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) em Rondônia, as chuvas que caem no interior do estado e na capital não influenciam diretamente a cota do rio Madeira em Porto Velho porque a maior influência são as chuvas nas bacias do rio Beni, Mamoré e Guaporé. O Sipam ainda descartou a possibilidade de uma cheia nos patamares de 2014.

    A Defesa Civil alerta e pede a compreensão da população para preservar as placas de sinalização implantadas em lugares de riscos. Segundo o coordenador da Defesa Civil Municipal de Porto Velho, Marcelo Santos, já existem casos de pessoas retirando as sinalizações dos locais de risco identificados.

    “Se nós colocamos as placas em um local vulnerável, ali existe um grau de risco. E sabemos que existem crianças que sobem e descem os barrancos para ir e voltar da escola. Já aconteceu vários acidentes e nós temos que ter cuidados redobrados nesse período”, disse Marcelo.



    Deixe o seu comentário



    Mais sobre Cidades