porto velho - ro, 18 Março 2019 23:30:58

Carlos Sperança

coluna

Publicado: 28/12/2018 às 08h16min

A- A+

O Brasil precisará se proteger do populismo das soluções fáceis

Um Brazil First? A proposta de que o mundo deva pagar pela preservação da Amazônia é justa, embora temerária como desafio e ainda pior..

Um Brazil First?

A proposta de que o mundo deva pagar pela preservação da Amazônia é justa, embora temerária como desafio e ainda pior se parecer chantagem. O jogo de Trump, via “America First”, é repleto de desafios e chantagens e se for copiado sem reservas poderá dar maus e imprevistos resultados.

O Brasil precisará se proteger do populismo das soluções fáceis e unilaterais baseadas em informações e crenças duvidosas. Supõe-se aqui que o Rio Amazonas seja o mais extenso do mundo por nascer na cordilheira do Andes, mas há estudos pelos quais a verdadeira nascente do Nilo é o Rio Rukarara, afluente do Akagera, antes considerado sua nascente. Com isso, o Nilo teria agora 7.088 km.

Não fará nenhuma diferença se o brasileiro continuar a crer que o Amazonas é maior que o Nilo. No entanto, crer que não existe a ameaça da mudança climática ou se indispor com clientes é correr sérios riscos, até de um desastre irreversível.

Um “Brazil First” criando atritos com vizinhos, investidores e consumidores estrangeiros é arriscado demais para o desenvolvimento nacional. O pragmatismo responsável inaugurado na política externa brasileira pelo ministro Azeredo da Silveira no Governo Geisel ainda parece o caminho mais seguro a trilhar.

………………………………….

A pão e água

Por decisão do comando nacional do PSL, partido do presidente eleito Jair Bolsonaro, as legendas que formaram o Frentão de oposição na Câmara dos Deputados – casos do PSB/PDT e PC do B- serão tratadas a pão de água em todo o País e proibidas de celebrarem alianças com a base de apoio governista. A recomendação já teria sido enviada aos diretórios estaduais e municipais.

Os dois anos

Justamente no inicio da estação das chuvas, neste 1º de janeiro, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) completa dois anos de gestão. No campo político, a gestão é marcada pela derrota do partido do alcaide na eleição ao governo do estado, com o candidato Expedito Junior sofrendo a maior derrota de todos os tempos. Mas Hildon tem tempo para se recuperar para a reeleição.

Clausula de barreira

Nas eleições de 2018, 30 partidos ganharam o direito de representação no Congresso Nacional e com isto terão o direito ao acesso dos fundos partidários orçados em quase R$ 1 bilhão para 2019. No entanto a clausula de barreira, que exige um mínimo de votos, vai reduzir sensivelmente o número de legendas a partir do ano que vem. Umas 14 devem acabar.

As novas fusões

As agremiações partidárias que não cumprirem as exigências da clausula de barreira serão obrigadas a se fundir a partir de agora. Algumas siglas já estão na mesa de negociações, caso do Patriotas que se fundiu com o PRP, do PC do B com o PPL, o PHS com o Podemos e também o PSDC que abriu conversações com o PR. Outras siglas seguem o mesmo caminho.

Plano Diretor

A revisão do Plano Diretor de Porto Velho seguirá avançando durante o próximo ano com audiências públicas, indicando um bom trabalho dos técnicos de planejamento do Paço Tancredo Neves. Ao longo de 2019 serão tratados assuntos de relevância como o parcelamento e uso do solo, o Código de Obras e a Lei do Conselho da Cidade.

Via Direta

*** Com a energia, passagens aéreas subindo quase cinco vezes a mais do que inflação, o custo de vida deve aumentar nos primeiros meses do ano *** Em vista da cheia do Rio Madeira, os braços do Madeirão em Porto Velho Velho, já causam preocupação a população dos bairros ribeirinhos *** Com tantos recursos ainda esta longe a definição de algumas cadeiras a Assembleia Legislativa e Câmara dos Deputados *** Mesmo depois da posse dos eleitos a pendenga seguirá pelos tribunais se resolvendo no tapetão.


Escreva um comentário

Arquivos de colunas