Porto Velho/RO, 21 Setembro 2021 12:47:16

CarlosSperança

coluna

Publicado: 21/09/2021 às 12h46min | Atualizado 21/09/2021 às 12h47min

A-A+

O governo Marcos Rocha está de asas crescidas e está quase um raposão da política

raposão da política

Moção e emoção

Houve muito entusiasmo pelo mundo afora com a recente aprovação – aliás, sem surpresas e mais que certa bem antes do evento –, de moção no congresso da União Internacional para a Conservação da Natureza propondo proteger 80% da bacia amazônica até 2025. Como a democracia, a higidez (boa saúde), o combate à fome, a proteção ambiental e a salvação da Amazônia são pautas fáceis de defender. Só malucos desumanos poderiam apoiar a fome ou o apocalipse exterminador.

No entanto, o fato de não ter opositores sérios não significa que as melhores pautas tenham o destino pretendido, já que requerem o empenho dos governos e a emoção dos povos para se manter vivas, em permanente cobrança e avaliação. Se a moção aprovada há pouco em Marselha (França) for acompanhada com mais empenho que o Relógio do Juízo Final, que já nos encostou na meia-noite fatal, haverá chances para que as nações escapem da hecatombe nuclear e da aniquilação climática.

Falam muito na Amazônia, mas poucos a beneficiam de fato. A julgar pelo texto da moção, muita emoção será necessária: “Proteger, conservar e administrar de forma sustentável pelo menos 80% da Amazônia até 2025, em colaboração com os povos nativos e reconhecendo as lideranças indígenas”. 2025 é logo ali e a máquina de rancores e brigas ainda é mais acionada que a usina de diálogos e consensos.

…………………………………………………………………….

Duas vices!

Não é novidade para ninguém que o governador Marcos Rocha no primeiro turno ao governo em 2018 e o senador Marcos Rogério também eleito em 2018 foram mal das pernas em Porto Velho, cidade que conta com um terço do eleitorado de Rondônia, mais do que Ji-Paraná, Ariquemes Cacoal e Vilhena juntas. Por este motivo Marcos Rogério, para reforçar suas paliçadas na capital para a peleja pelo CPA no ano que vem, está escalando como sua vice Ieda Chaves. Neste confronto, diante da necessidade de combater o adversário, a grande carta na maga do coronel Rocha na capital para vice é a recém cooptada Cristiane Lopes.

A grande Conexão

A conexão do narcotráfico Rondônia-Nordeste tem crescido muito nos últimos anos e vários chefões rondonienses estão estabelecidos em aprazíveis capitais nordestinas. A cocaína vem da fronteira com a Bolívia desembarca em Porto Velho e é remetida para o Nordeste onde se providencia o embarque para o exterior multiplicando várias vezes o valor da droga. Do Mato Grosso e do Paraná desembarcam caminhões de maconha lotados para Rondônia, que virou uma espécie de Ceasa das drogas na região Norte. Toneladas das drogas são apreendidas todo ano, mas é como enxugar gelo.

Operação Excentric

Com tanta cocaína, anfetamina, maconha e outros narcóticos circulando em Rondônia em larga escala, urge uma nova operação nos moldes da Excentric realizada pela Policia Federal em 1985, época em que a imagem de Rondônia no resto do País ficou tão suja que rolou até uma proposta de mudança de nome, como se isto fosse solver o problema. Na Operação, os principais traficantes das principais cidades envolvidas no narcotráfico no estado – Guajará Mirim, Porto Velho, Cacoal e Vilhena – levaram um rude golpe com apreensão de aviões, caminhões, carros, lanchas e imóveis.

Asas crescidas

Até pouco tempo considerado um político inexperiente, o governador Marcos Rocha criou asas e está quase um raposão no trato a ciência e por conta disto tem obtido bons reforços para seu projeto de reeleição. Já tem uma chapa respeitável para a disputa das oito cadeiras da Câmara Federal destinadas a Rondônia, tem obtido importantes cooptações entre os prefeitos rondonienses está entrando no jogo para enfrentar os dois grandes favoritos em 2022, os ex-governadores Ivo Cassol e Confúcio Moura.

Ex-prefeitos

Muitos ex-prefeitos estão cogitados para disputar cargos eletivos, principalmente a Assembleia legislativa e Câmara dos Deputados no ano que vem. São os casos de Thiago Flores e Francisco Sales (Ariquemes), Jesualdo Pires (Ji-Paraná). Na capital, o ex-prefeito Mauro Nazif, atualmente na Câmara federal vai para a reeleição. Em Guajará Mirim, o ex-prefeito e ex-deputado Dedé de Melo fará nova tentativa de retornar a Assembleia Legislativa. Em Jaru, o líder do clã dos Muletas, José Amauri busca uma cadeira a Câmara dos Deputados, em Ouro Preto, Rosária Helena para Assembleia Legislativa.

Via Direta

*** E até agora mesmo com muitas cobranças não foram resolvidos os mistérios das fugas no presídio de Ariquemes, a capital das fugas de detentos da Amazônia*** A Zona Leste de Porto Velho vem recebendo nos últimos anos unidades de redes de supermercados e de lojas de eletrodomésticos. É a região de maior densidade demográfica da capital rondoniense *** Ninguém explica tanto atraso na inauguração das obras de revitalização da Estrada de Ferro Madeira Mamoré*** Pergunta-se as autoridades municiais e estaduais o que estaria emperrando o funcionamento? *** O ex-prefeito de Porto Velho Carlinhos Camurça já está na lida em busca de uma cadeira a Assembleia Legislativa ou a Câmara dos Deputados*** Ele que já foi deputado federal e prefeito da capital ainda estuda seu destino político no ano que vem.


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas