Porto Velho/RO, 15 Setembro 2021 09:40:05
Meio Ambiente

O papel do Brasil no desafio global pela emissão zero de carbono

Brasil precisa deixar claro sua intenção de contribuir para esse esforço global.

A-A+

Publicado: 15/09/2021 às 09h35min | Atualizado 15/09/2021 às 09h40min

O papel do Brasil no desafio global pela emissão zero de carbono.

 

Uma aliança formada por 70 presidentes de grandes empresas globais, entre elas, a KPMG, enviou recentemente uma carta endereçada aos líderes do G7, grupo formado pelas sete principais nações mundiais como os Estados Unidos, Alemanha, Canadá, França, Itália, Japão e Reino Unido.

O tema foi a mudança climática. Cinco meses antes da realização da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, que acontecerá em novembro deste ano, no Reino Unido, o objetivo dos empresários foi enfatizar a colaboração público-privada como vital para uma economia baseada na emissão zero de carbono em trinta anos. Entre as recomendações citadas na carta, as principais são a eliminação de todos os subsídios aos combustíveis fósseis e a obrigatoriedade para que todas as empresas estabeleçam metas de descarbonização.

No documento, os líderes empresariais também fizeram um alerta importante. Caso esse processo de mitigação das mudanças climáticas não seja iniciado imediatamente, o PIB global poderá ter uma redução de até 18% nas próximas três décadas. Isso significa que regiões e setores inteiros podem ter as atividades paralisadas como consequência das mudanças na sazonalidade e quantidade de chuvas, secas, tempestades, altas e baixas temperaturas em regiões não adaptadas para essas variações, para citar algumas das consequências já esperadas em consequência do aquecimento global.

Além disso, estudos mostram que a implantação dessas medidas e a produção e o uso de energia mais sustentável podem criar 18 milhões de empregos adicionais até 2030, e, ao mesmo tempo, manter os atuais 1,2 bilhão de empregos que dependem, diretamente, de um ambiente saudável e estável A carta ressalta ainda que, para que os piores impactos da mudança climática não aconteçam, será necessário limitar o aquecimento a 1,5 grau celsius, o que exigirá a redução de quase a metade das emissões de gases de efeito estufa até 2030.

Com os desafios socioeconômicos já conhecidos trazidos pela pandemia mundial da covid-19, não podemos esquecer que a mudança climática é mais uma ameaça imediata e crescente à qualidade de vida das pessoas, ao funcionamento dos ecossistemas e ao funcionamento das economias, com impactos irreversíveis. Portanto, podemos considerar vamos precisar de ações drásticas e ousadas na busca de soluções que reduzam ao máximo os impactos negativos do aquecimento global que se adicionarão aos da pandemia.

Confirmando a urgência dessa agenda, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (sigla em inglês, IPCC) divulgou um relatório sobre a situação atual das mudanças climáticas e as tendências. O cenário de aquecimento de 1,5 graus celsius é considerado um fato. Assim, as mudanças climáticas e os fenômenos abruptos já presentes serão parte do nosso futuro, até o final do século. A estabilidade climática pode ser reestabelecida se conseguirmos de fato combater as emissões de gases do efeito estufa no curto prazo, com redobrada atenção às emissões de metano, que têm crescido e são muito prejudiciais ao clima. Uma das conclusões é que os tomadores de decisão precisam implementar planos de emissões zero para parar o aquecimento. A remoção do dióxido de carbono é uma ferramenta crucial, mas que só será útil quando acompanhada por rápidas e profundas reduções de todas as emissões de gases de efeito estufa.

Por isso, a aliança global de empresários para trabalhar em conjunto com o setor público para ações assertivas e ambiciosas é crítica para a sociedade e para a economia. Assim, é esperado que os governos e empresas acelerem a transição se comprometendo com metas ousadas. É essencial que todos definam metas claras, as transformem em ações, principalmente, no curto prazo. Precisamos de ações de fato transformadoras.

O Brasil precisa deixar claro sua intenção de contribuir para esse esforço global para ter acesso aos recursos que ajudarão os países a implementar o que será preciso para a economia de baixo carbono. Fontes Internacionais falam de vários trilhões de dólares que serão disponíveis para essa transição. Isso nos leva a uma pergunta: onde estão as emissões que o Brasil poderia se comprometer a deixar de realizar, sem reduzir a produção e comercialização?

Segundos os cálculos de vários institutos, até 2018, o Brasil contribuía com pouco mais de 2,2% das emissões globais. Nossas emissões estão distribuídas da seguinte forma: quase metade vem da forma como implementamos as atividades no setor de agropecuária, depois um quarto do setor de transportes, seguido por geração de energia em geral e depois energia do setor industrial. Mas, dados recentes mostraram que o país se tornou o quinto maior emissor de gases do efeito estufa no ano passado, o ano da pandemia. Isso se deu em grande parte por causa do desmatamento e aumento dos incêndios florestais.

O agronegócio brasileiro, responsável por 23% do PIB, que tem grandes quantidades exportadas para União Europeia, China e Estados Unidos, tem feito um grande esforço no sentido de mudar esse jogo. O ideal seria que reduzisse pela metade as emissões atuais associadas ao setor. A logística nacional poderia reduzir a sua posição passando a utilizar, principalmente, etanol e biodiesel. Lembrando que somos o único país do mundo com tamanha frota, produção e distribuição movida a combustível renovável, sem precisarmos investir em elétricos.

E, num dos países mais ensolarados do planeta, as emissões de geração de energia e do setor industrial também poderiam reduzidas, se tivéssemos um plano amplo para eficiência energética e geração renovável centralizada e distribuída.
Pensando assim, parece que há grandes chances de o Brasil assumir compromissos e entrar sim na conversa sobre o clima, fazer a sua parte, acessar os fundos disponíveis e usar tudo isso para um plano de recuperação econômica num país que vai precisar de um plano de recuperação que o torne competitivo e economicamente ativo, diante da transição que o mundo prepara.

Fonte: KPMG


Deixe o seu comentário