Porto Velho/RO, 22 Fevereiro 2021 09:45:06
Diário da Amazônia

O pescado de Rondônia atravessando fronteiras 

Localizado no município de Itapuã do Oeste, distante 100 quilômetros da capital Porto Velho “RondoFish” na tradução literal..

Por José Luiz Alves Diário da Amazônia
A-A+

Publicado: 22/02/2021 às 09h01min | Atualizado 22/02/2021 às 09h44min

Foto: José Luiz Alves/Diário da Amazônia

Localizado no município de Itapuã do Oeste, distante 100 quilômetros da capital Porto Velho “RondoFish” na tradução literal “peixe de Rondônia”, o frigorífico com capacidade para beneficiar 30 toneladas de pescado/dia, tendo como carro-chefe o tambaqui, no vácuo vem o pirarucu e pintado, funcionando com 80% de sua capacidade gerando emprego e rendas para 98 funcionários, adquirindo produtos de 50 grandes, médios e pequenos produtores rurais numa faixa de 200 quilômetros em torno de Itapuã do Oeste, alavancando a produção de peixes. 

Foto: José Luiz Alvez/Diário da Amazônia

Trabalhando com produtores escalonados, altos investimentos em tecnologias, integrado com a comunidade, Plínio Augusto, sócio-diretor do frigorífico mais conhecido como Guto, disse ao Diário da Amazônia que “A piscicultura é um bom negócio” lembrando que para um hectare de lâmina de água o giro é superior a 30 hectare de pasto, apresentando 30% de lucro em média, de acordo com o manejo. Outro aspecto importante na produção do pescado na região é o melhoramento na qualidade genética dos alevinos, com o ganho no tamanho da carcaça e no peso de cada espécie.

Elogiando o apoio do Governo do estado, por meio da Secretaria de Agricultura (Seagri), Plínio Augusto, frisou que praticamente toda a produção de pescado beneficiado pela indústria, cumprindo toda a legislação ambiental vigente é comercializada com estados do Centro-Oeste, Norte e exportado para o Peru. Os peixes são eviscerados, escamados colocados inteiros em caixas de plástico cobertas com gelo, permanecendo congelados em baixas temperaturas antes do embarque em carretas frigoríficas até o destino final.  

Assim como a carne, a soja e o milho, o peixe de Rondônia também atravessa fronteiras, gerando divisas para o estado, mesmo diante de um momento de pandemia.

Salientou que mais de 2% dos pequenos comércios de Itapuã do Oeste giram em torno da indústria de pescado, assim como bom relacionamento com a prefeitura e Câmara dos vereadores. A Rede TV! No próximo sábado (27) apresentará uma reportagem no programa “Campo e Lavoura” mostrando o beneficiamento do pescado produzido na região, gerando emprego e rendas nas áreas urbanas e rurais.  

Foto: José Luiz Alvez/Diário da Amazônia



Deixe o seu comentário