Porto Velho/RO, 05 Fevereiro 2020 11:06:54

    CarlosSperança

    coluna

    Publicado: 05/02/2020 às 11h06min

    A-A+

    Os legislativos estão voltando depois de um longo recesso

    Negativos e ameaçadores Via de regra, o negacionista é também um nacionalista conservador que julga mais cômodo negar as mudanças..

    Negativos e ameaçadores

    Via de regra, o negacionista é também um nacionalista conservador que julga mais cômodo negar as mudanças econômico-sociais que seus adversários “globalistas” defendem e as ameaças apocalíticas dos liberais ambientalistas.

    Para eles, o aquecimento global não existe. A natureza sempre dá um jeito de se equilibrar, não importa as besteiras que os homens cometam. A maior gravidade dos incêndios, geleiras derretendo, tempestades e chuvas torrenciais tornam difícil até para o mais intransigente negacionista não entender que o clima é o grande problema da humanidade nos dias que correm.

    Até os mais ricos do mundo, reunidos no Fórum Econômico Mundial, colocaram os rigores do clima no topo dos problemas mundiais. As tragédias causadas pelos temporais no Sudeste são assustadoras. Só omissos desapiedados podem supor que não é preciso fazer nada, sob a ideia confortável de que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar. Cai, como os para-raios provam. 

    Para Pilatos ficaria fácil lavar as mãos, com tanta água caindo, mas para líderes responsáveis que preferem prevenir a remediar é urgente compreender que os rigores do clima não estão só nas queimadas e tempestades, mas também no aparecimento, retorno e maior contágio de doenças. A humanidade está diante de problemas reais, que meros bate-bocas entre ambientalistas ameaçadores e negacionistas acomodados não vão resolver.

    …………………………………………………………

    Mais recesso

    Os legislativos estão voltando depois de um longo recesso. Mas tanto no Congresso Nacional, assembleias legislativas e Câmaras Municipais, os parlamentares vão sequer esquentam as cadeiras e terão mais um recesso com o carnaval. Não teremos vida útil na política e na economia antes das Folias de Momo. Mas logo em seguida  ao carnaval, taca-lhe o pau com as rivalidades tribais pelas prefeituras municipais. Em Porto Velho já existem entreveros encarniçados entre aqueles que dedicam fidelidade canina – geradas por boquinhas – a seus candidatos.

    A capital da soja

    O município de Corumbiara, aquele do massacre de colonos ocorrido nos anos 90, detentor de grandes rebanhos de bovinos, é a nova capital da soja em Rondônia. Na última safra superou redutos tradicionais como Vilhena, Cerejeiras, novos como Ariquemes e as fronteiras em expansão, como Porto Velho onde  o cultivo da oleaginosa tem crescido assustadoramente. Com o preço bom, a colheita da safra 2020 promete ganhos auspiciosos na temporada. 

    A interiorização

    O PC B de Rondônia começou seu projeto de interiorização e seu presidente estadual Batista Pantera abriu em, Ji-Paraná, na região central uma série de encontros visando tratar das eleições municipais de outubro. A próxima etapa será a escolha de nomes para as pelejas nos principais polos regionais do estado. Ao mesmo tempo, o partido abriu preparativos para as comemorações dos seus 90 anos de fundação. Pantera idealiza uma Frente de Esquerda, traçando uma política de alianças, mas PT, PSOL, PSTU ainda não se manifestaram sobre o assunto.  

    As consequências

    Os estados vizinhos, Acre e Amazonas, se tornaram os mais violentos da região Norte e estão na ponteira no que tange as taxas de homicídios nos últimos anos  sendo que 2020 já começou para os acreanos e amazonenses com verdadeiros recordes de criminalidade. Rondônia, comparado a realidade dos vizinhos em termos de saúde e segurança pública é quase um paraíso. A sangria dos vizinhos é fruto da disputa entre as facções criminosas disputando  o mercado das drogas e controle dos presídios, como ocorre também em Rondônia com menor intensidade.

    As costuras

    Alguma coisa não deu certo nas costuras entre os ex-senadores Expedito Junior e Ivo Cassol para o projeto de reeleição do prefeito de Porto Velho, o  tucano Hildon Chaves (PSDB). Acreditava-se até então que a vereadora Cristiane Lopes seria indicada vice do atual alcaide, mas pelo visto o clã Cassol optou por uma candidatura própria no PP. Ainda suspiram para ser vice de Hildon o papagaio de pirata Lindomar Garçom e o presidente da Fiero Marcelo Tomé. Quem será, quem será?

     

    Via Direta

    *** O apagão no INSS tem motivado protestos em todo o País. Em Rondônia esta crise não é tão grande, mas os atrasos se acumulam nos principais polos regionais do estado*** Outra coisa que preocupa é a confecção de carteiras de identidade. O atraso tem sido absurdo e em algumas cidades  os atendimentos acontecem só com fichas racionadas distribuídas á população*** Fala-se em eleições polarizadas em alguns colégios eleitorais importantes de Rondônia em Outubro*** Em Porto Velho Hildon Chaves x Leo Moraes, em Vilhena Japonês x Donadons, em Ji-Paraná, Marcito x Isau, etc, etc*** Em Mirante da Serra foi anunciada a construção de um frigorifico para abater avestruzes*** Os times de Porto Velho e Guajará Mirim, as cidades mais antigas de Rondônia, estão sem estádios neste campeonato estadual. Tempos bicudos para o nosso esporte, sem o Aluizão.


    Deixe o seu comentário

    sobre Carlos Sperança

    Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

    Arquivos de colunas