Porto Velho/RO, 08 Abril 2020 07:45:52

SolanoFerreira

coluna

Publicado: 08/04/2020 às 07h45min

A-A+

Páscoa é o primeiro sinal de que o ano não será bom para as vendas

O impacto percebido no comércio de páscoa é apenas o primeiro de uma séria de redução de vendas neste ano pelo país. É estimado..

O impacto percebido no comércio de páscoa é apenas o primeiro de uma séria de redução de vendas neste ano pelo país. É estimado quase 32% de redução na venda de chocolates e outros produtos utilizados nas comemorações do período. Apesar de estar com as portas abertas, o comércio está com movimento fraco. As pessoas estão priorizando a compra de alimentos e outros produtos primários. Supermercados e farmácias, por exemplo, estão sempre lotados.

As datas sazonais estão à perigo. Em maio tem as comemorações do Dia das Mães e coincidirá com o pico da manifestação da doença covid-19, conforme previsões de estudos técnicos anunciados por profissionais de saúde. Mesmo com as ajudas anunciadas pelo governo federal nesta semana, a ração tem sido tímida nas lojas. Além de comidas e outros mantimentos essenciais, o consumidor já está recebendo a conta de energia elétrica, boletos bancários e outras prestações que, se não pagas rendem juros e mais perdas.

O ano de 2020 está condenado. Não evoluirá na economia e trará outros problemas como o ajuste de calendário escolar, os diversos feriados, as retrações em segmentos de serviços, e, enfim, uma avalanche de consequências. Prefeitos e governadores não param de fazer as contas para saber se continuarão honrando os salários de servidores, que por aqui muito representa para o giro econômico comercial.

Com pouco dinheiro e outros até sem nada, a população teme pelo que vem pela frente e guarda o que pode. Cada centavo na gaveta nunca teve tanto valor como neste momento. Caso a quebra do isolamento social tenha efeito devastador como vem ocorrendo em todo o mundo, por aqui, a situação ficará também delicada. A criatividade dos comerciantes não tem atraído tantos negócios e o risco de demissões é o que mais apavora padrões e empregados.


Deixe o seu comentário

sobre Solano Ferreira

Editor-Chefe do Diário da Amazônia. Comunicador Social e Marketing/ Mestre em Geografia. Atua na Gestão Estratégica e Gerenciamento de Crise.

Arquivos de colunas