Porto Velho/RO, 24 Abril 2020 08:04:02

CarlosSperança

coluna

Publicado: 24/04/2020 às 08h03min

A-A+

Pequenos e micros comerciantes aguardam a liberação de recursos da caixa

A lenda é verdadeira Até as mais incríveis dentre as inúmeras lendas amazônicas precisam ser alvo da investigação paciente dos..

A lenda é verdadeira

Até as mais incríveis dentre as inúmeras lendas amazônicas precisam ser alvo da investigação paciente dos cientistas. Os antigos relatos dos índios sobre serpentes enormes pareciam aos europeus excesso de imaginação dos nativos, mas ainda hoje elas são achadas. É certo que pesquisadores competentes e dedicados, como o coronel Percy Fawcett, desapareceram na busca do El Dorado, a cidade de ouro, mas outros que não tiveram sucesso documentaram informações úteis para futuras explorações.

O mais recente caso do gênero é o do geólogo peruano Andrés Ruzo. Ele saiu da América do Sul para estudar nos EUA mas a América do Sul não saiu dele. Tanto que retornou para buscar o “rio de fogo”, lenda inca narrada pelo avô Daniel. Ao contrário de Fawcett e de outros que só documentaram fracassos e dúvidas, Ruzo voltou anunciando a descoberta do rio Shanay-timpishka (fervido com o calor do sol, na língua indígena) no livro O Rio Fervilhante: Aventuras e descobertas na Amazônia.

O cientista foi ajudado por uma tia brasileira, Margarida Gonçalves, a Guida, gaúcha que trabalha com povos amazônicos e ouviu de um xamã que o tal rio existia. A surpreendente Amazônia, mais uma vez, provou que para uma lenda virar realidade basta apostar na ciência e ouvir o que o povo, Tia Guida e os xamãs inclusos, têm a dizer. Desse esforço virão riquezas ainda desconhecidas que poderão fazer muita diferença.

…………………………………………………….

As invasões

O arcebispo metropolitano de Porto Velho D. Roque Paloschi e o Conselho Indígenista Missionário-Cimi denunciaram as seguidas invasões de grileiros, garimpeiros e madeireiros nas áreas indígenas de Rondônia. As comunidades dos Euro-Eu-Au-Au no Vale do Jamari e dos Karipunas próximos a capital rondoniense tem sido alvo da espoliação e da violência com muitas lideranças indígenas que já foram assassinadas nos últimos anos.

Terras demarcadas

Em pronunciamento firme, o arcebispo de Porto Velho ainda cobra providências das autoridades estaduais e federais lembrando que as terras recentemente invadidas em solo rondoniense eram já demarcadas, com todos os direitos adquiridos pelos indígenas e reclamou que a gestão do presidente Jair Bolsonaro estimula as invasões em toda Amazônia não respeitando o direito das tribos que vem sendo dizimadas através dos tempos.

Mais recursos

Os pequenos e micros comerciantes aguardam com ansiedade a liberação de recursos da Caixa Econômica Federal e do Sebrae na ordem de R$ 7,5 bilhões para recomposição do capital de giro e reativação das atividades comerciais. As pequenas e microempresas geram milhões de empregos no País e podem refrear a recessão que já atinge milhões de desempregados. É uma opção para os camelôs jogados ao vento e já sem renda.

Virando a casaca

Revendo meus arquivos lembro a maior traíragem da política de todos os tempos na era de Rondônia estado. Foi na eleição de 82, quando o estrategista do governador Teixeirão José Renato da Frota Uchoa, que já tinha conseguido atrair do MDB o médico Claudionor Roriz de Ji-Paraná para disputar o Senado pelo PDS, obteve uma grande virada em Vilhena. Arrematou todo o grupo político emedebista liderado por Paulo Marzola, considerado até hoje um dos maiores vira-casaca da política rondoniense.

As manobras

Com as manobras regionais bem articuladas pelo secretário de Planejamento do estado, José Renato e mais a firme liderança de Teixeirão, cujo governo tinha baita aprovação dos rondonienses e recursos a rôdo do governo federal, o PSD fez farofa do MDB do deputado federal Jerônimo Garcia de Santana em 82, que naquela eleição era candidato ao Senado da Republica contra Odacir Soares, Claudionor Roriz e Galvão Modesto. Teixeirão e Uchoa fizeram barba, cabelo e bigode naquele pleito.

Via Direta

***Muitos shoppings centers e galerias comerciais estão espichando o bico nas capitais brasileiras. Em Porto Velho são tantas salas já fechadas, ceifando centenas de empregos *** Deputado atuante, Eyder Brasil não tem se afastado das atividades políticas. Segue projeto de ser o candidato a prefeito do PSL enquanto curte o nascimento do seu filho com a carnavalesca Ciça Manelão *** Os jovens estão fazendo as suas festas agora em chácaras e fazendas para não serem flagrados pelas autoridades sanitárias que fiscalizam as restrições de aglomeração para o coronavirus *** Os donos dos restaurantes da capital rondoniense estão se acostumando a vender com entregas a domicílio e assim reduziram o número de funcionários*** O comércio lojista ainda fechado, segue demitindo nas lojas de calcados confecções *** Os partidos políticos também estão em recessão. Nem os diretórios municipais e regionais estão abertos para atendimento.


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas