porto velho - ro, 17 Julho 2019 17:16:50
Agronegócio

Pesquisa avalia a qualidade do leite

Iniciativa da Embrapa, a pesquisa fez avaliação em 275 propriedades.

Por Assessoria
A- A+

Publicado: 06/08/2017 às 05h10min

Produtores de leite recebem incentivos para que invistam mais na qualidade do manejo

Pesquisa realizada pela Embrapa, em parceria com laticínios de Rondônia e a Emater-RO, com a avaliação de 275 propriedades na microrregião de Ji-Paraná, principal bacia leiteira do Estado, demonstrou a baixa adoção de boas práticas, como higiene da ordenha e controle da mastite, indicando a importância de capacitação de mão de obra e da assistência técnica efetiva. O trabalho apontou que a presença de intermediários (carreteiros) na entrega do leite no tanque comunitário aumentava em quase quatro vezes a chance de ocorrência de CBT acima de 300.000 UFC/mL (limite atual definido pela IN62). Dentre os fatores relacionados à presença do carreteiro, pode-se citar o maior período de tempo entre a ordenha e o resfriamento do leite, a deficiente lavagem de latões e o tempo que o latão permanece nas bancadas localizadas na entrada das propriedades. “Estes resultados demonstram a importância de reavaliar a logística de resfriamento do leite para definir medidas de redução dos pontos críticos de contaminação”, esclarece Juliana Dias, pesquisadora da Embrapa.

Com os resultados da pesquisa, a Embrapa Rondônia estabeleceu parcerias com indústrias lácteas para identificação de áreas prioritárias de atuação, com a caracterização dos produtores e da logística de resfriamento do leite nestas áreas. Com isso, foi possível subsidiar a tomada de decisão pela indústria com foco na redução da CBT e melhoria da qualidade da matéria-prima. Esforços têm sido observados por parte do governo, empresas de lácteos e produtores em relação à melhoria da qualidade do leite cru no estado. Foram realizadas ações como a aquisição de tanques de resfriamento, melhoria das estradas, qualidade de energia elétrica e ações visando a sanidade do rebanho. “Para que possamos evoluir na melhoria da qualidade do leite no Estado é fundamental o envolvimento de todos os elos da cadeia produtiva: pesquisa, extensão rural, indústria, produtores e poder público”, explica a pesquisadora. Segundo Juliana Dias, com base na pesquisa realizada, podem ser citados dois grandes desafios para a qualidade do leite em Rondônia: a adoção de boas práticas, pois a qualidade da matéria-prima depende do manejo adotado na ordenha e das condições de resfriamento dentro da propriedade; e a logística de resfriamento do leite até o tanque coletivo, tendo em vista que cerca de 90% do leite resfriado produzido em Rondônia está armazenado em tanques com esta característica. “É preciso que as tecnologias e conhecimentos já disponíveis cheguem aos produtores e sejam adotados”, reforça.



Escreva um comentário