Porto Velho/RO, 07 Dezembro 2019 11:15:43
    Polícia

    Polícia conclui inquérito sobre homem assassinado em Vilhena

    A Polícia Civil concluiu, nesta semana, o inquérito sobre a morte de Júlio Pereira Bastos, de 42 anos. Ele foi morto a tiros na frente..

    Por G1 Rondônia
    A-A+

    Publicado: 17/07/2019 às 11h36min

    A Polícia Civil concluiu, nesta semana, o inquérito sobre a morte de Júlio Pereira Bastos, de 42 anos. Ele foi morto a tiros na frente da companheira, em Vilhena (RO), na região do Cone Sul. O crime foi registrado em maio de 2018, no Bairro Cristo Rei. Dois suspeitos foram indiciados pelo assassinato. Uma discussão anterior teria motivado o homicídio.

    O delegado Núbio Lopes de Oliveira explicou que, após o crime, uma arma de fogo foi apreendida em outra ocorrência. Com a colaboração do Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal, a perícia apontou que a arma apreendida foi a mesma utilizada na morte de Júlio.

    A partir disso, os investigadores descobriram indícios que apontaram para Pablo Henrique da Silva Sega, de 20 anos, que teria sido o executor do crime; e para Kenedy Palmeira da Silva, de 27 anos, que teria pilotado a motocicleta.

    A investigação indicou que Kenedy teria discutido com Júlio anteriormente e o suspeito já tinha a intenção de matá-lo. “Nós conseguimos provar a cadeia de custódia dessa arma e verificamos, através de provas técnicas e testemunhais, a participação de Pablo e Kenedy. Os indícios de autoria são muito robustos”, enfatiza o delegado.

    Pablo foi preso, em agosto de 2018, pelo envolvimento na morte do cantor Maylson Lucas Campos Arruda. Em março deste ano ele foi pronunciado e deve ser levado a júri popular pela morte do artista.

    Embora esteja preso, a Polícia Civil cumpriu mandado de prisão preventiva contra ele, em virtude da morte de Júlio. Ele foi indiciado por homicídio com duas qualificadoras; recurso que impossibilitou a defesa da vítima e motivo fútil.

    O advogado Davi Ângelo Bernardi faz a defesa de Pablo. Ele informou que a defesa entrou com recurso contra a pronúncia do cliente e aguarda a decisão do Tribunal de Justiça. Sobre a morte de Júlio, ele não quis se pronunciar, pois ainda não teve acesso ao processo.

    Kenedy foi indiciado como partícipe do homicídio e também teve mandado de prisão preventiva decretada. Contudo, ele já está foragido da Justiça, suspeito de atirar na cabeça de uma mulher, em fevereiro deste ano.

    As pessoas que souberem a localização de Kenedy podem informar à Polícia Civil por meio dos telefones (69) 3322-3001, 197 ou 190 da Polícia Militar (PM).

    Crime

    Júlio estava na frente de casa, acompanhado da companheira e de um sobrinho, de 13 anos. O adolescente contou à PM que o suspeito chegou e atirou seis vezes contra a vítima.

    Segundo o jovem, após o primeiro disparo, Júlio ainda tentou entrar em luta corporal com o atirador, mas foi atingido outras vezes e morreu no local.

    O suspeito fugiu com um comparsa, que o aguardava em uma motocicleta, próximo do local.



    Deixe o seu comentário