porto velho - ro, 19 Março 2019 00:22:55

Léo Ladeia

coluna

Publicado: 09/01/2019 às 15h01min

A- A+

Prefeito Hildon Chaves mexeu num pequeno ninho de caba

FRASE DO DIA: “Não há país com uma livre iniciava forte que não tenha empresas médias fortes” – Joaquim Levy, presidente do..

FRASE DO DIA:

“Não há país com uma livre iniciava forte que não tenha empresas médias fortes” – Joaquim Levy, presidente do BNDES

1-Samba do crioulo doido I

Ao anunciar que não vai efetuar repasses para as escolas de samba de Porto Velho o Prefeito Hildon Chaves mexeu num pequeno ninho de caba. Pequeno mas literalmente barulhento. Tem gente que, salvo raras exceções, se acostumou a jogar TNT sobre as estruturas de metalon enferrujadas à guiza de carros alegóricos que ficam nos cantos da cidade. No dia sai um troco ou um mortadelão a quem possa desfilar na “Escola de Samba em Cima da Hora”. Não precisa sambar. A fantasia é TNT, o samba enredo sai na hora e o desfile é em qualquer dia desde que não seja no carnaval. O bagúio é feio.       

2-Samba do crioulo doido II

Nada que preocupe. A Banda do Vai Quem Quer sai, o Galo também, o Até Que a Noite Vire Dia sai, o Pirarucu sai e para quem gosta e quer saltitar no carnaval pode ficar tranqüilo: vai ter carnaval sim. A propósito, a Banda do Vai Quem Quer vai vender as suas camisetas. Quem tem grana compra e quem não tem, pula na maior pipoca da capital. Sobra o choro livre e enquanto uns choram a Banda vende camisetas.   

3-Abrindo a caixa de cirurgia

O ex-ministro Antonio Palocci esparramou tesoura, pinça, bisturi e afastador, fazendo um barulho grande. De dentro estão saindo também alguns informes importantes para a Lava Jato sobre desvios nos mais relevantes fundos de pensão do Brasil dentre os quais Funcef da Caixa Econômica e Petros da Petrobras e por trás da cortina a velha República Sindical Brasileira. É só mais um acordo. Noutro que tramita em sigilo, Palocci fala dos que têm direito a foro privilegiado. Acho pouco. Eu quero bem mais.

4-Corte na corte do Sistema “S”

Convenhamos: o sistema “S” prestou muitos relevantes serviços ao Brasil na formação e qualificação de mão de obra. Mas como e a que custo? Quem alimentou a fábula de dinheiro usado pelo Sistema? Qual o orçamento do Sistema e a quem prestou contas? Qual a real necessidade de prédios suntuosos como a Fiesp? Existem cargos que não são remunerados no Sistema “S”, mas por que se eternizam seus dirigentes sem que nada lhes seja dado em troca? Que se abra a caixa e que se corte se for necessário.     

5-Couro de dedo

Nada do que foi será e em novo memorando do Incra ficou revogada a determinação de suspender os processos de reforma agrária no país e de regularização fundiária na Amazônia Legal. Pelo novo texto, não existe a determinação do governo federal para o ato, aliás, tomado pelas diretorias de obtenção de terras e ordenamento da estrutura fundiária, sem passar pela presidência do órgão. Como diz Zé de Nana, “os caboquin tão batendo cabeça e correndo atrás de avião pra ver se está emplacado”. Tá brabo.  

leoladeia@hotmail.com


Escreva um comentário

sobre Léo Ladeia

Leo Ladeia é baiano de Itororó, torcedor do Bahia ou um pau rodado que apoitou por aqui. Começou como radialista na Rádio Vitória Régia aos 55 anos. Apresentou o programa Lendas do Rock na rádio Parecis. Na SIC TV como aqui no Gente de Opinião Léo Ladeia fez de tudo. Astronauta, boy, pintor, poeta e pedreiro. Mutante, gosta de experimentar e de desafios, atualmente Ladeia está trabalhando no Rede TV Rondônia, canal 17,do Sistema Gurgacz de Comunicação.

Arquivos de colunas