Porto Velho/RO, 02 Agosto 2020 03:05:32
Geral

Prefeitura intensifica ações contra hepatites

Na semana em que se comemora o Dia Mundial de Luta Contra Hepatites Virais, a prefeitura de Porto Velho intensifica suas ações e..

A- A+

Publicado: 01/08/2014 às 18h04min | Atualizado 29/04/2015 às 03h44min

Na semana em que se comemora o Dia Mundial de Luta Contra Hepatites Virais, a prefeitura de Porto Velho intensifica suas ações e programas neste segmento. Um evento realizado na última quarta-feira (30), pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), no auditório do Espaço Mulher, marcou o lançamento da campanha de combate à doença, que traz como tema “Verifique se essa doença já faz parte da sua vida”.
As atividades em locais de grande concentração, como órgãos públicos, empresas, igrejas, entre outros, estão acontecendo em conjunto entre a Divisão de DST/Aids e a Divisão de Imunização. Interessados em levar a estratégia para algum ambiente de aglomeração de pessoas podem enviar ofício para secretária, que atenderá ao pedido.

O trabalho tem como foco principal a prevenção e o diagnóstico precoce, é o que afirma o secretário adjunto de saúde, José Carlos Coutinho. “A hepatite, principalmente o tipo B, pode trazer consequências a longo prazo. Muitas pessoas tem o vírus e não sabem”, declarou.
Em cada tipo de hepatite são utilizadas diferentes estratégias. Para a hepatite A, a meta é vacinar 8 mil crianças de 12 meses a menores de 2 anos até o final do ano. A imunização vale para a vida toda e foi disponibilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) recentemente. A distribuição das doses no município começou no dia 21 de julho.

Já para o tipo B, a rede ampliou a oferta da proteção. Antes era permitido o acesso somente até 39 anos, agora passou a classificar como grupo de direito a pessoas com até 49 anos. Aplicam a vacina, tanto para a A quanto para a B, 19 postos de saúde na área urbana e 18 na rural.
A maior dificuldade hoje referente ao grupo de pessoas adultas está no ciclo de doses que deve ser seguido rigorosamente para garantia do bloqueio do vírus. Para este grupo, são 3 doses que protegem contra a hepatite B. “É recomendado pelo Ministério da Saúde que haja cobertura vacinal de pelo menos 80%, a maioria das pessoas toma a primeira e não procura a unidade para completar as doses”, explica Elizeth Gomes, chefe de imunização.



Deixe o seu comentário