Porto Velho/RO, 01 Novembro 2020 08:00:26

CarlosSperança

coluna

Publicado: 01/11/2020 às 08h00min | Atualizado 30/10/2020 às 17h16min

A-A+

QGs de candidatos em Porto Velho buscam esqueletos de opositores para os debates

Jogo de novembro No fim de agosto veio a público uma guerra aberta entre o general Hamilton Mourão e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo..

Jogo de novembro

No fim de agosto veio a público uma guerra aberta entre o general Hamilton Mourão e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Naquele momento se revelou uma qualidade ainda pouco vista no presidente Jair Bolsonaro: a habilidade para contornar ruídos internos. Mais recentemente, sentindo-se novamente pressionado pelos militares, Salles abriu uma nova guerra, desta vez com o general Luiz Eduardo Ramos, que faz a coordenação política do governo com os demais poderes e as representações da sociedade civil.

Salles percebeu que extrapolou ao chamar Ramos de “Maria Fofoca”, mas logo a habilidade de Bolsonaro mais uma vez tratou de prestigiar Ramos sem hostilizar Salles. O próprio presidente jogou o general Eduardo Pazuello contra a parede no caso da vacina CoronaVac mas em seguida o elogiou.

A acusação que os “ideológicos” fazem a Ramos é que não teria “jogo de cintura”, virtude que o presidente demonstrou ter, com os olhos postos no calendário eleitoral: sempre que há críticas pesadas a medidas do governo, ele cancela decisões. Quando algum ministro de confiança é hostilizado, ele o prestigia. De qualquer forma, depois das eleições haverá uma minirreforma ministerial. Por ora, e até às eleições, o “técnico” Jair põe todos os ministros no aquecimento. Quem se sair bem no apoio à conquista de prefeituras importantes levará vantagem.

…………………………………………………………………………….

Os esqueletos

Nos QGs de campanha de Porto Velho existem preparativos para os debates que começam agora e todo mundo buscando os “esqueletos” dos adversários para exposição de todos os ossos publicamente. Nos bastidores já se sabe que foi identificado um candidato a prefeito como espancador de mulheres, com Boletim de Ocorrência na Polícia e tudo, num outro caso será questionada a opção sexual de um outro postulante, num outro que o cara é apoiado pelo esquema do pó. Tem caso até de candidato beneficiado pelo recebimento de propinas e por aí vai. Vem muita lama por aí.

Últimos dias

Como as eleições em Porto Velho se decidem nos últimos dias com o chamado “efeito manada”, desmentindo pesquisas para todos gostos e credos é imperativo que os candidatos que acham que estão brigando pela ponteira, se cuidem e se benzam. Não quero voduzar ninguém, mas já voduzando, já tem uma zebra trotando desde as plantações de hortaliças no setor chacareiro, até o progressista Jardim Uirapuru na região do Aeroclube – e como de costume ela (a zebra) chega chegando nas últimas 48 horas do pleito. É coisa de louco!

Pódio e vexames

Nos formadores de opinião o que se viu foi muita incredulidade sobre as pesquisas divulgadas em Porto Velho na temporada. É tradição na capital rondoniense forjar pesquisas para vitaminar aliados e tentar desacreditar a concorrência. Mas independentemente de pesquisas, nos formadores de opinião alguns candidatos já foram descartados no que tange as possibilidades de chegar lá. São os casos de Pimentel (MDB), Cajui (PT), além de Pimenta de Rondônia (PSOL), Edvaldo Soares (PSC), que estão mais perto de vexames do que do pódio.

Peso do desgaste

Mas para fazer justiça, vejo dois candidatos com bons programas, com boas propostas, mas ainda sem indícios de decolagem nesta reta final. Certamente Willians Pimentel (MDB) e Ramon Cajui (PT) devem ser mais prejudicados nesta campanha com o peso do desgaste dos apoiadores. Pimentel, por exemplo, carrega nas costas a rejeição de Maurão de Carvalho, de Valdir Raupp e Confúcio Moura na capital. Cajui, por causa dos escândalos petistas do mensalão ao petrolão, além da prisão dos seus principais dirigentes.

Os Bad boys

Os bad boys desta campanha, os malvados, os que mais atacam os adversários não se deram bem ainda. Falo do deputado estadual Eyder Brasil (PSL) e do advogado Breno Mendes (Avante). A estratégia agressiva em busca de polarização com o prefeito Hildon Chaves acabou não funcionando até agora. Se deram melhor aqueles que projetaram a imagem de bonzinhos, como Hildon, Vinicius. Neste segmento dos bonzinhos e afáveis incluo também o coronel Ronaldo Flores (Solidariedade).

Via Direta

*** O covid tomou conta das campanhas eleitorais com tanta formiguinhas e bandeirolas se espalhando pelas capitais brasileiras. Em Porto Velho é um festerê danado, até candidatos a vereança e a prefeito já tiveram a doença*** A situação é tão grave que, como já foi noticiado, em algumas cidades brasileiras a campanha eleitoral na rua foi suspensa para tentar controlar a pandemia se alastrando de vez como foi em Macapá *** Macacos velhos da política rondoniense ficaram de fora da disputa em 2020. Caso dos ex-prefeitos Carlos Magno (Ouro Preto do Oeste), Ernandes Amorim (Ariquemes), Sueli Aragão (Cacoal), Milene Mota (Rolim de Moura), José Guedes e Carlinhos Camurça em porto Velho entre outras figurinhas carimbadas*** Boa parte deles ainda inelegíveis, com problemas na justiça eleitoral.

 


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas