Porto Velho/RO, 03 Agosto 2020 16:01:13
Saúde

Rondônia chega a 38,9 mil casos do novo coronavírus; mortes passam de 870

Relatório apontou oito novas mortes e aumento de 585 diagnósticos da Covid-19, em comparação com o boletim anterior.

A- A+

Publicado: 01/08/2020 às 10h35min | Atualizado 01/08/2020 às 10h36min

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) de Rondônia confirmou, nesta sexta-feira (31), oito novas mortes em decorrência do novo coronavírus (veja os detalhes mais abaixo). Desde o início da pandemia, foram registrados 872 óbitos na região.

O número de diagnósticos soma 38.992: são 585 infecções a mais que o total contabilizado até a noite de quinta-feira (30). Em contrapartida, 30.600 (78,4%) pessoas já estão recuperadas da doença em Rondônia.

Os oito óbitos foram confirmados nas seguintes cidades:

  • 2 em Porto Velho: mulher de 74 anos e um homem de 60 anos;
  • 1 em Candeias do Jamari: homem de 56 anos;
  • 1 em Alto Alegre dos Parecis: homem de 81 anos;
  • 1 em Jaru: mulher de 75 anos;
  • 1 em Ji-Paraná: mulher de 59 anos;
  • 1 em Vilhena: homem de 51 anos; e
  • 1 em Rolim de Moura: homem de 68 anos.

A capital Porto Velho continua sendo a cidade com maior número de infectados: são 21.946 diagnósticos da doença e 560 óbitos. Em seguida está Ariquemes com 2.627 casos confirmados, Guajará-Mirim com 2.251 e Vilhena com 1.378 diagnósticos.

A Sesau também divulgou no boletim que há:

  • 405 pacientes internados no total;
  • 124.495 testes realizados; e
  • 1.490 casos suspeitos aguardando resultado no Lacen.

Conforme divulgado na última quinta-feira (30), a taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adultos é de 75,4%.

Desses leitos de UTI, 71,4% estão ocupados na macrorregião I, que inclui hospitais de Porto Velho, Ariquemes e Jaru, e 85,1% ocupados na macrorregião II, que engloba os hospitais de Cacoal, Vilhena e São Francisco do Guaporé.

O balanço da taxa de ocupação dos leitos de UTI desta sexta-feira (31) não foram informados pela Sesau até a última atualização desta reportagem. (G1)



Deixe o seu comentário