porto velho - ro, 13 Junho 2019 03:23:13
Cidades

Sala de Crise aponta ações contra enchente e isolamento da BR-364

Instalada para monitorar o período de cheia de 2019 em 23 de janeiro, a Sala de Crise do rio Madeira realizou sua reunião de encerramento..

Por ac24horas
A- A+

Publicado: 06/05/2019 às 10h36min

Se preferir, ouça a versão em áudio

Instalada para monitorar o período de cheia de 2019 em 23 de janeiro, a Sala de Crise do rio Madeira realizou sua reunião de encerramento das atividades deste ano no fim de abril na sede da Agência Nacional de Águas (ANA), em Brasília, e apresentou um balanço otimista.

Dentre os pontos apresentados durante o encontro, a ANA apontou que em 2019 ocorreu a quarta maior cheia histórica do rio Madeira em Porto Velho, com pico médio diário de 45.184 metros cúbicos por segundo registrado em 8 de março.

Em suas 14 reuniões, a Sala de Crise do Rio Madeira atuou para monitorar e avaliar a cheia de 2019, além de propor iniciativas de proteção da população rondoniense. Como resultado deste trabalho, que contou com previsões hidrometeorológicas e medidas de operação dos reservatórios de Jirau e Santo Antônio, o tráfego nas estradas que ligam o Acre ao restante do Brasil não foi interrompido neste ano devido à cheia do rio Madeira. Desta forma, a Sala contribuiu para reduzir os prejuízos à população do Acre e de Rondônia, como os que aconteceram na maior cheia do histórico na região, a de 2014.

O alteamento do leito da BR-364 no trecho ameaçado de ser coberto pela cheia do Madeira e a realocação de parte da população de Jaci-Paraná, estão entre as intervenções citadas pela ANA.

“Representantes de diferentes instituições públicas e privadas de Rondônia enfatizaram a importância das reuniões da Sala de Crise na preparação para o enfrentamento das cheias. Da mesma forma, os representantes do Acre apontaram a Sala de Crise do Rio Madeira como sendo o melhor exemplo de instrumento para a mitigação de impactos de eventos críticos e para proteção da população”, diz a nota da ANA sobre o encerramento da Sala.

Na reunião a ANA destacou que a conclusão de todas as obras previstas na outorga de direito de uso da água das usinas hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, é necessária para que os riscos de inundação e interrupção do tráfego nos períodos de cheia sejam minimizados especialmente na BR-364.



Escreva um comentário